PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Os seres verdes da natureza.

A ecologia e os ecologistas "marcam touca", como se diz, em não desvendarem nas escolas e nas universidades o mundo maravilhoso e real dos seres verdes que coabitam conosco o planeta terra. A Vida Secreta das Plantas transcorre ombro a ombro com a nossa, mas é como que se desenvolvesse numa dobra espacial invisível para todos nós e pertencente a um mundo fantástico e inimaginável pela grande maioria das pessoas. Garantimos que a preservação da natureza e dos seres que ela criou, com tanto desvelo e imaginação seria mais bem preservado e respeitado, diferentemente do que tem sido até agora, apesar de tantas e inócuas campanhas a nível mundial se, crianças e adultos aprendessem a adentrar no Reino dos Seres Verdes da Natureza.
Como tudo se iniciou:
Clive Backster é um especialista norte americano exímio em detecção de mentiras. Deve-se a ele a abertura de uma "Caixa de Pandora" para a ciência, a "Vida Secreta das Plantas", descerrados os seus segredos por um acaso excepcional e por estudos e testes desenvolvidos sob o maior rigor científico. A chave desta Caixa de Pandora é o efeito Backster.
Em 1996, Backster resolveu passar a noite na sua escola para operadores de polígrafos, local onde ensinava a técnica de detecção de mentiras a policiais e agentes de segurança de todo o mundo. De repente, num acesso súbito de intuição, ele aplicou os eletrodos de um dos seus detectores nas folhas de uma planta que enfeitava o escritório, uma bela "Dracena Mangeana.
"A dracena, ou árvore do dragão (Draco), mitologicamente é conhecida como produtora de uma resina elaborada a partir, supostamente, do sangue de dragão. O interesse de Backster era o de verificar em quanto tempo e de que modo a folha de dracena seria afetada pelo despejar de uma certa quantidade de água nas suas raízes.
O histórico da "Máquina de Detectar"
O polígrafo comporta um galvanômetro que ligado a um ser humano, por fios condutores de uma corrente elétrica baixa, obriga uma agulha a se mover ou uma ponta a traçar um gráfico num papel quadriculado móvel, que responde a imagens mentais "ou às sutis oscilações emotivas.
"Foi inventado no final do século 18 pelo padre Maximilian Hell S. J., de nacionalidade vienense e astrônomo da corte da Imperatriz Maria Tereza. A invenção teve o seu nome derivado de Luigi Galvani, físico e fisiologista italiano que descobriu a "eletricidade animal". Juntamente com o galvanômetro, hoje em dia, temos um circuito elétrico, a "Ponte de Wheatstone", honrando Sir Charles Wheatstone, físico inglês, inventor do telégrafo automático.
Esta "ponte" ali está para "avaliar a resistência, de modo que o potencial elétrico do corpo humano - ou sua carga elétrica - pode ser medido à proporção que flutua sob o estímulo do pensamento e das emoções".
Para fins policiais, acompanhado por um relatório cuidadosamente bem estruturado, submete o suspeito a um interrogatório onde o interlocutor observa no gráfico as respostas que fazem a agulha saltar. Os "experts", Backster, por exemplo, lendo os resultados deste gráfico, são capazes de detectar as fraudes, quando elas existem.
Descoberta Fantástica
O que aconteceu a Backster, nos 10 minutos seguintes, iria revolucionar sua vida.
"Nestes 10 minutos fatais, após sua ligação nos eletrodos, a Dracena reagiu ao detector de forma semelhante à reação de um ser humano quando experiência um estímulo emocional de curta duração. Backster, aturdido, raciocinou: "As plantas se emocionam?
"Ele próprio, arrepiado pela emoção que sentia, rapidamente resolveu fazer a experiência seguinte: AMEAÇAR - a dracena. Seres humanos causam saltos no galvanômetro quando ameaçados. Backster, decididamente, enfiou uma folha da dracena na xícara do café que bebia, o café estava bem quente. Nada de notável aconteceu. O experimentador raciocinou mais um pouco e resolveu ser cruel: queimar, com a chama de um fósforo, a folha ligada aos eletrodos. Assim que esta idéia surgiu na sua mente - fogo - o gráfico mudou de forma dramática!
Backster estava paralisado, observando a ascensão prolongada da ponta que realizava o traçado no gráfico. Com um frio na espinha, Backster que não se movera um milímetro sequer do lugar desde que a idéia do fogo, da chama do fósforo lhe ocorrera, concluiu: "Será que esta planta leu a minha mente?" Ele precisava fazer outra experiência para provar a si próprio esta possibilidade fantástica. Saindo da sala, buscou uma caixa de fósforos em outro local. A sua volta, viu no gráfico uma outra e súbita alteração correspondente à sua idéia de levar a cabo a experiência de queimar a folha da planta. Entretanto, a reação fora menor, fora de dúvida quanto á execução da ameaça. Backster, internamente, relutara em cumprir com a sua ameaça. Ocorreu-lhe então, uma outra idéia e passou a bravatear ameaças à planta. Como se soubesse que ele fingia atitudes, a planta não reagiu mais. Outra evidência surgida? "A planta mostrara-se capaz de distinguir entre a intenção real e a simulada?
"Clive Backster estava afogado em emoções. Diz ele que a sua vontade era a de correr pelas ruas, como um arauto da antiguidade, gritando a plenos pulmões - "As plantas pensam." Não o fez, evidentemente, seu espírito científico o obrigou à verificação lógica e meticulosa do fenômeno e à especulação sistemática de toda a aparelhagem para detecção de possíveis desarranjos.
Clive Backster e seus colaboradores aferraram-se nas pesquisas. Utilizaram outros instrumentos, outras plantas, frutos e legumes, agiram em outros locais do país e as respostas de mais de 25 variedades de plantas testadas foram todas semelhantes."As observações, sempre coincidentes, implicavam um novo enfoque da vida, com algumas conotações explosivas para a ciência."
Texto retirado do Jornal Infinito: http://www.jornalinfinito.com.br
Obs: Já fiz essa experiencia com as plantas... é verdade mesmo! Elas conseguem perceber a intenção simulada e a real. Isso tem um signficado tão profundo que poderia estar sendo usado nas salas dos tribunais. Elas vêem além das nossas percepções.

Nenhum comentário: