PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

quarta-feira, 27 de junho de 2012

OMISSÃO


Lavar as mãos, diante de uma situação onde você têm conceitos estabelecidos, não libera da responsabilidade do resultado final como se, não houvesse um apoio dado a um dos lados da contenda. A grande maioria das pessoas acredita que o ato de não se envolver é sábio e, mesmo diante de uma clara situação onde existe algoz e vítima não se pronuncia em nome da justiça.

Uma frase que resume bem a implicação da opção de não se envolver é esta: “Para que o mal triunfe basta que os bons não façam nada”. Foi o que nos disse Edmund Burke, filósofo irlandês no século XVIII, quando é visível a diferença de forças, onde percebemos que há uma intenção malévola agindo sobre uma pessoa ou situação em desvantagens de recursos, é nosso dever tomar partido para a resolução.

Podemos perceber que a sociedade moderna se afasta cada vez mais de suas responsabilidades sociais individuais, colocando todo peso da resolução de problemas, seja eles quais forem, nas mãos do estado, da entidade pública ou de Deus. Alias, a frase: “Deus sabe o que faz” livra muita gente de pelo menos tentar fazer algo por outra pessoa.

Pôncio Pilatos ficou famoso lavando as mãos diante de uma situação que ele sabia estar errada, não tomou partido mesmo tendo o poder de resolução e, nós sabemos o resultado desta história. A inação, ou não ação, é uma tomada de decisão. Não participar ativamente de uma resolução de conflito, tendo condições para isso e, permitir que o valor negativo prospere na situação é fugir da responsabilidade de agir contrariando a ética. Todos nós sabemos quando agimos assim, ninguém opera na ignorância de juízo critico e, se assim for, está livre de ônus.

A pergunta que vem a seguir é, que ônus seria este? Quando os participes de uma sociedade se omitem diante de injustiças a entidade negativa ganha forma e, com algum tempo, acaba por atingir todos deste ecossistema.  

Deixando a religião fora deste questionamento, podemos analisar outro ícone neste raciocínio. Na iconografia dos santos podemos ver a imagem da Nossa Senhora das Graças, também conhecida como Nossa Senhora da Medalha, onde ela se apresenta com o semblante plácido, calmo enquanto o pé esquerdo, desnudo, esmaga a cabeça de uma serpente. Seu rosto não aparenta raiva ou esforço envolvido no ato de, com força, pisar no animal rastejante.

O simbolismo é a luta do bem contra o mal. O sujeito não precisa se envolver, ruidosamente, no combate ao que considera injusto. Sua ação não necessita de envolvimento emocional apenas do posicionamento correto. O ato de tomar partido pelo injustiçado requer  distanciamento emocional até mesmo para salvaguardar o pensamento analítico que sempre fica prejudicado quando imerso em forte emoção.

Finalizando: omissão está mais próximo da covardia do que da imparcialidade. Caso cada um de nós agíssemos com vigor, todas as vezes que a injustiça fosse percebida como tal, os agentes do mal teriam menos espaço para expor suas intenções. 

João Oliveira
Psicólogo CRP 05/32031

Nenhum comentário: