PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

sexta-feira, 31 de maio de 2013

RENÚNCIA




 Por Prof. Msc. João Oliveira

               

     Oferecer uma renúncia como prova de sacrifico em alguma negociação é algo relativamente comum em nosso ambiente social. Algumas pessoas fazem isto como forma de promessa para alguma deidade de seu íntimo relacionamento ou, um acordo entre amigos, parentes, sendo realmente mais comum, acredito, no aspecto religioso: – “Deus me dê isso que em troca eu deixo de fazer aquilo.”

     Posso estar enganado, mas é possível que existam duas coisas erradas nesta maneira de lidar com a renúncia: 1) Quando feita em forma de promessa, podemos estar colocando Deus em negociatas fora do interesse Dele e o colocando a nosso serviço. 2) Renúncia que gera sofrimento não deve funcionar bem, afinal, se gera angústia é porque existe desejo, então, não houve real desprendimento.

     Antes de tudo, devemos ressaltar se a renúncia ocorre como forma de devoção – um jejum, por exemplo, em datas específicas – fica fora deste contexto por ser ato de fé. O questionamento que trago é sobre a utilização deste mecanismo para pequenos negócios com o senhor do universo. Há alguns anos tive contato com uma pessoa que prometeu ficar um mês sem comer manteiga no pão se tirasse boas notas em uma determinada prova. Desculpe, mas isso me parece muito pouco para um esforço divino. E qual a vantagem – ou dor – envolvido em ficar um mês sem manteiga?

     Podemos até entender quando o esforço para a devolução de uma dádiva recebida se dá em direção ao próprio mundo. Pessoas que investem tempo em trabalho voluntário, criam fundações, fazem campanhas de alimentação para os pobres e tantas outras formar de colocar de volta no mundo aquilo que Dele recebeu. Isso me parece mais justo!

     O outro ponto é quando a tal renúncia não funciona no aspecto psíquico. A pessoa mantém seu voto, mas, por dentro, ocorre uma terrível luta por controle do desejo que não cessa de forma alguma. Lógico que isso não traz nenhum benefício, muito pelo contrário, irá criar danos que podem, até, chegar a doenças psicossomáticas. A pressão interna deve sair de alguma forma e, quando isto não é ressignificado, acaba por gerar sintomas físicos.

     Para a renúncia funcionar ela deve ser entendida como uma vitória cotidiana, dar alegria ao renunciado. Que ele possa vivenciar sua opção com orgulho e satisfação pela escolha dando, a si mesmo, prova de força e valor.

     Dois monges, renunciados ao sexo, estavam subindo uma montanha em direção ao mosteiro quando, um deles, percebe uma mulher em desespero em um rio se afogando. Ele se jogou na agua e retirou a mulher já desmaiada e com as vestes rasgadas pela luta contra a correnteza. Fez respiração boca-a-boca e conseguiu ressuscitar aquele pobre criatura em sofrimento.

     O outro que a tudo assistia ficou boquiaberto: - “Como você fez isso? Tocar em uma mulher seminua! Você colocou sua boca na dela! Você quebrou nossos votos!” – Falava a todo instante – “Quando chegar ao mosteiro eu contarei o fato para nosso líder. Você cometeu um ato abominável!”

     Aquele tom prosseguiu por toda a subida da montanha até quando chegaram às portas do mosteiro o monge nervoso falou mais uma vez: “-Um absurdo o que você fez: tocou as partes íntimas daquela mulher quebrando nosso voto de fé e sacrifício. Vou contar para nosso líder agora!”

     O outro, que havia salvado a mulher completou: - “Diga também por quanto tempo a mulher ficou em meus braços e há quanto tempo ela está dentro da sua cabeça.”

     Assim creio fica mais claro que ser renunciado, de fato, não é algo que se deixa de fazer com sacrifício. Trata-se de uma incorporação, uma maneira de viver sem sofrimento algum pela escolha e livre de qualquer ansiedade em relação ao tema.

     Um velho ermitão vivia isolado em sua caverna, bom homem, ele praticava curas e era muito sábio. Pessoas vinham de longe para estar com ele em busca de solução para os problemas da vida. Quando perguntavam o segredo de tal poder e sabedoria ele dizia simplesmente que a renúncia de tudo da vida material o havia dotado de tais capacidades. Na verdade, ele só tinha dois pertences: duas tanguinhas. Isso mesmo, ele só se vestia cobrindo parte do corpo, com uma pequena tanguinha, que revezava todos os dias.

     Um dia um visitante lhe disse que conhecia outro ser com tal poder, mas, que, ao contrário dele, se tratava de um rei muito rico que vivia lá embaixo da colina. Sem poder acreditar em tal coisa – alguém sem renúncia e poderoso? – ele desceu, levando sua tanguinha reserva e foi estar com tal personagem.

     Lá chegando enfrentou grande fila para falar com o rei, pessoas de todo o mundo vinham falar com ele em busca de cura ou conselhos, ele era realmente um ser poderoso e sábio. Questionou de pronto como seria possível ele ser rico e, ao mesmo tempo cheio de capacidades? O rei disse que não sabia como explicar e pediu que o sábio renunciado ficasse em seu castelo e observasse o dia a dia, quem sabe poderia encontrar uma resposta para tal mistério.

     Indignado por ver que seu sacrifício poderia ter sido totalmente evitado ele segue o rei em uma caçada durante o outono. Quando já distante uns bons 10 quilômetros, eles olham para trás e veem, com espanto, o castelo em chamas.

- “Meu Grande Senhor Do Universo! Seu castelo esta em chamas! Vamos voltar correndo!” – disse o mais pobre.

- “De nada adianta – falou o rei – as chamas já estão altas e o povo – veja a correria nos campos – já está fora de perigo. Nada resta a fazer... vai queimar tudo mesmo.” Completou.

- “Não! – gritou o sábio renunciado – Vamos voltar rápido! Ainda dá tempo! Vamos!”

- “Relaxe – disse o rei – Faremos outro castelo, não se preocupe, por que está tão nervoso assim? Estamos bem, a vida é o mais importante.”

- “Você não está entendendo? – gritou o sábio renunciado – Minha outra tanguinha ainda está lá dentro! Vamos rápido, temos de salvar minha tanguinha!”


              



Nenhum comentário: