PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

A FALHA DO SISTEMA PRISIONAL




Por Beatriz Acampora

Os últimos acontecimentos no Brasil revelam que o sistema prisional nunca foi adequado e não recupera o indivíduo para a sociedade. Isso porque, na grande maioria dos casos, durante o tempo que o preso fica encarcerado, não há produção, processo de educação continuada ou envolvimento direto no trabalho que possa contribuir para uma sociedade mais desenvolvida. O ócio é o maior problema: ninguém cresce ou se desenvolve matando o tempo. A vida tem relação direta com o bom aproveitamento das horas.

A prisão agrícola ou industrial é um modelo no qual o preso é envolvido na produção para contribuir com a sociedade e ter a possibilidade de uma reinserção social. No Japão, o modelo prisional tem como base a disciplina para que o preso aprenda a se gerenciar e conviver com regras e, isso envolve, desde o tempo do banho até o modo como suas roupas são dobradas.

“O dia a dia na prisão no Japão:

– O dia do preso japonês começa às 6h50min.

– Às 8h ele já está na oficina trabalhando na confecção de móveis, bolsas ou brinquedos.

– Só para por 40 minutos para o almoço e trabalha novamente até as 16h40min.

– Durante todo este período nenhum tipo de conversa é permitido, nem durante as refeições.

– O preso volta à cela e fica ali até 17h25min, quando sai para o jantar.

– Às 8h tem que retornar ao quarto, de onde só sairá no dia seguinte.”

(Fonte: https://virtualflavor.wordpress.com/…/curiosidades-o-siste…/)

Acrescento que é essencial que o preso estude, aprenda algo positivo e o turno da noite poderia ser utilizado para isso. Cursei duas faculdades (Jornalismo e Psicologia) trabalhando o dia inteiro e estudando à noite: não morri por isso, ao contrário, foi muito positivo. E assim como eu, milhares de brasileiros investem com qualidade no seu tempo, buscando o crescimento pessoal e profissional. Se nós podemos fazer isso, por que os presos não podem?

A base de todo o problema está na desigualdade social, na falta de investimento em educação de qualidade para todos e, consequentemente, temos cadeias lotadas. A chave para a solução, com certeza não é construir mais cadeias, mas investir em um sistema prisional que possa contribuir para uma sociedade mais justa, com menos desigualdades. E, a longo prazo, colocar a educação, o desenvolvimento social, econômico e cultural como prioridades para que as pessoas possam e queiram ser efetivamente parte do que chamamos de sociedade.

As propostas atuais do Governo para a crise do sistema prisional me fazem lembrar do conto O Alienista, de Machado de Assis: todos acabam encarcerados. No momento, estamos reféns de um sistema falido.

Nenhum comentário: