TOPO

PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

Página Oficial De Cursos

http://www.isec.psc.br


Facebook De João Oliveira

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-Mail direto para João Oliveira:

oliveirapsi@gmail.com

Para receber links, senhas e informações sobre palestras e congressos virtuais mande um email para:

isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

sexta-feira, 17 de junho de 2016

A DESPEDIDA



Por João Oliveira

Ver você ainda em seus instantes finais transforma toda a percepção de longevidade que tinha em minha vida. Todos os bons momentos que foram vividos por mim, em sua bela companhia, se tornam flashes de milissegundos. Grandes momentos, cheios de emoções positivas, agora se tornam mais importantes do que pareceram ser quando ocorreram de fato.


Não é interessante como damos importância às coisas quando vemos elas partirem? Você, sempre presente em todos os dias de minha vida, nem sempre teve o real destaque de merecimento. Acho que não lhe retribuí de forma adequada sua presença em minha existência.

As pessoas são assim mesmo: dão pouco valor ao que têm. Saber cuidar daqueles que estão ao seu lado, corresponder a expectativa do outro de afeto e atenção, são coisas que deixamos de fazer apenas porque estamos acostumados a ter, todos os dias, sua proximidade. É fato, deixamos de amar o que pensamos possuir.

Trata-se de uma confusão interna que mistura as emoções e as trata como percepção territorial: o que já é meu não necessita de investimento. Claro que isso está errado. Só percebemos o erro quando a percepção de posse é substituída pela de perda.

Como eu gostaria de estar diante de meu falecido pai, mesmo que fosse para ouvir seus sermões que, na época, pareciam ter pouco sentido. Hoje, mais maduro, saberia encontrar encaixe em cada uma de suas sabias palavras. Perdi muito pela arrogância de pensar ser o dono da verdade. Algo, inclusive, que hoje duvido que exista de fato.

Assim, te ver partir, diante de meus olhos de forma lenta e dolorosa, me chama a atenção para tantas outras perdas que já tive e ainda terei nessa existência curta de mão única. Todos os dias morremos um pouco. Uma prestação lenta e quase impercebível, com juros que crescem exponencialmente para, em um único momento, cobrar toda a nossa dívida sem nenhum pudor, sem nenhum aviso prévio. Apenas vem e nos tira de tudo e de todos.

Também seremos lembrados?

Não há como olhar seu poder, seu brilho, sua força sendo sugado para a escuridão sem notar sua tristeza também. Parece que queria fazer mais pelo mundo e não teve tempo suficiente nessa sua pequena jornada. Sei que muitos nem terão percebido que você esteve aqui, mas, em mim, sua marca está colocada como símbolo da capacidade de influenciar e, todo mudar, sem ao menos levar o algum crédito por isso. Mesmo assim cumpriu o seu papel, sem se importar com o reconhecimento das pessoas que tocou e, de alguma forma, exerceu sua força. 

Como se estivesse cerrando os olhos me preparo para ficar sem você. Tenho algumas certezas que estarão comigo a partir deste momento: irei ser melhor com todos os perecíveis afetos que me circundam. Tentarei perenizar, consolidando os afetos positivos na forma de reconhecimento explícito. Eles precisam saber que são importantes ao menos para mim. 

Nem todos são como você, astro rei, que renasce todos os dias pela manhã. Boa noite sol, amanhã estaremos juntos se a natureza (da morte ou vida) assim me permitir. 

Nenhum comentário: