PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

sexta-feira, 17 de julho de 2015

A ERA


Por: João Oliveira - Psicólogo (CRP 05/32031)

Sabemos muito bem: tudo que nasce um dia morre. No entanto, temos uma grande dificuldade em aceitar isso como parte do processo, principalmente quando essa mudança aparenta ser um final permanente de nossa consciência.

Houve uma era onde os répteis reinavam sobre a face da Terra, aparentemente um impacto, promovido pela queda de um meteorito de grande magnitude, terminou com o que convencionamos chamar de: “A era dos dinossauros”. Também, tivemos algumas civilizações que dominaram suas respectivas áreas em vários continentes onde, apesar de deixarem fartas provas de fantásticas tecnologias de construções (por exemplo), não conseguiram perpetuar seus conhecimentos ou mesmo vestígios mais claros de suas existências. Desses povos, pouco ou nada sabemos.

Mesmo os curtos espaços de tempo que cronometram alguma atividade também estão sujeitos ao processo de começo, meio e fim. Um filme que assistimos, por melhor que seja, em algum momento terá estampado na tela os créditos finais com os verdadeiros nomes dos profissionais que deram vida a inúmeros personagens. Ou ainda, uma peça de teatro, onde heróis e bandidos se enfrentam em uma luta cênica mortal, terá, após o espetáculo uma confraternização entre os atores atrás do palco. Tudo termina, nada é para sempre.

O grande segredo da pequena trajetória que temos nesse plano talvez seja preparar uns bons créditos para serem exibidos após nossa jornada. Provavelmente (não é certeza absoluta) deve existir uma coxia onde os atores que ainda não entraram em cena ou, os que já saíram, possam observar a nossa atuação. Na dúvida, se teremos ou não uma confraternização ao final, é melhor garantimos que será uma festa de comemoração e não de cobranças e repreensões por uma péssima performance.

Certo é, disso não tenha dúvida, que o nosso inconsciente não teme a morte. Na verdade, muitas vezes acelera o processo numa tentativa de nos tirar de uma situação, em vida, da qual não possuímos recursos suficientes para lidar.

Assim, surgem sintomas psicossomáticos que podem gerar doenças que levam pessoas, muitas vezes, a uma morte prematura em seu possível ciclo de vida. Se isso é uma realidade, a morte ser apressada pelo nosso próprio sistema vital, é sinal que a vida como conhecemos hoje pode ser descartada diante de barreiras que julgamos intransponíveis: quem valoriza a vida é o que chamamos de consciente: o ego!

Mesmo sendo um absurdo pensar assim, ainda existe uma outra faceta curiosa que nos faz pensar sobre esse momento de finalização: os sonhos terminais. Carl G. Jung foi um dos primeiros a perceber que, nos dias que antecedem uma morte natural, os sonhos mudam de perfil se tornando extremamente positivos e satisfatórios, levando o sonhador a ter recordações espetaculares ou a vivenciar projetos de realizações fantásticas que nunca teve oportunidade de realizar em vida. Trata-se de um maravilhoso procedimento compensatório, uma forma que nossa mente criou para tornar mais leve os últimos momentos de vida.

Contrário fosse, se o inconsciente temesse a morte, esses sonhos deveriam ser, pela lógica, assustadores.

Inúmeras são as crenças religiosas sobre esse tema que acabamos de abordar. Poucas são as que acreditam em um final permanente e, ainda menos ainda, são aqueles que não temem retorno, de alguma forma, pelos seus atos praticados na vida em algum período posterior a própria existência.

Viver não é apenas um monte de manhãs e tardes ensolaradas. Cada vida é uma era em particular e deve, para ser melhor aproveitada, deixar vestígios que possam ser lembrados positivamente ou, servir de referência para os novos atores que irão atuar nesse palco espetacular onde, nesse exato momento, todos os holofotes estão sobre nós.

Nenhum comentário: