PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

sexta-feira, 19 de junho de 2015

ALEGRIA, PRAZER, SATISFAÇÃO E FELICIDADE


Por Beatriz Acampora – Psicóloga (CRP 05/32030) e João Oliveira – Psicólogo (CRP 05/32031)
               
As emoções e sensações muitas vezes se misturam na nossa vida e poucas são as pessoas que conseguem diferenciar alegria, prazer, satisfação e felicidade. Então, vamos começar definindo cada um desses termos:

Alegria – a palavra deriva do latim “alacritas”, de “alacer”, que significam “ânimo leve, contente”. É uma emoção positiva e agradável que influencia as pessoas que a sentem e também as que a observam. Pode surgir pela associação com algo ou alguém que propicia o sorriso fácil, por uma sensação de bem-estar, de bom humor.

Prazer – a palavra deriva do latim “placere”, que implica em ser aceito, querido e também se relaciona com “placare”, que significa aquietar, acalmar. Muito se discute a respeito do prazer e é comum o entendimento que ele é da ordem do desejo, o que implica que uma pessoa pode sentir prazer com algo que faça bem ou mal a si mesma, uma vez que o desejo quase nunca é lógico e coerente.

Satisfação – a palavra deriva do latim “satis”, que significa bastante, suficiente, em quantidade adequada, somada à “facere”, que implica em fazer do modo desejado. Nesse sentido, podemos compreender que uma pessoa se sente satisfeita quando supre uma necessidade, como comer quando está com fome, por exemplo, ou suprir a necessidade de afeto ao receber carinho.

Felicidade – a palavra felicidade tem relação com o latim “felicitas” (felicidade), “felix” (feliz) e, ainda com o verbo grego “Phyo”, que significa produzir, trazendo a conotação de algo fecundo, produtivo. Dessa forma, podemos compreender que a felicidade tem relação com se sentir produtivo, útil, fazendo parte de algo. Facilmente podemos associar com as palavras contribuição, cooperação, produtividade.

                Todo mundo quer ser feliz. Dificilmente uma pessoa afirmará para si mesma e para os outros que deseja intensamente a tristeza, o desprazer, a insatisfação e a infelicidade. Isso porque é da nossa natureza buscar a própria realização pessoal.
Pessoas felizes tendem a ser mais positivas, a enfrentar as situações da vida de forma diferente, porque já conquistaram algo dentro de si: um casamento feliz consigo mesmas.
A felicidade é algo a ser desvelado e cuidado diariamente. Todo mundo a quer, mas poucos estão dispostos a abrir mão do complexo e buscar a simplicidade, a investir em si, de tal forma, que haja uma visão enobrecedora: a de que tudo pode ser transformado em aprendizado para o crescimento pessoal.
Alegria e felicidade são muito confundidas. Para esclarecer exemplificando, podemos dizer que uma pessoa não é feliz, mas foi ao parque de diversões e ficou muito alegre, deu boas risadas e até mesmo se sentiu eufórica. A alegria tem relação com momentos, bem como a tristeza. Pode-se conceber que uma pessoa está triste por alguma situação passageira da vida, mas é feliz. Isso porque a felicidade é algo mais duradouro, perene.
Prazer e satisfação também são tópicos distintos que podem se relacionar. Ao concebermos uma pessoa com fome, que come qualquer coisa apenas para se saciar, podemos dizer que ela se satisfez e, ao mesmo tempo, podemos dizer que uma pessoa que tem um desejo de comer algo especial e o faz, também pode se sentir satisfeita ao realizar seu desejo.
Mas o prazer é tão complexo que também podemos conceber que uma pessoa que usa drogas busca apaziguar um desejo de algo, que muitas vezes nem ela própria sabe o que é, mesmo que as consequências de tal uso seja muito prejudicial posteriormente – e sente prazer, que depois, possivelmente, se transformará em desprazer.
O imediatismo do mundo atual vende a imagem da felicidade através da alegria, prazer e satisfação. É certo que buscaremos satisfazer nossas necessidades porque isso é da natureza de todo animal, inclusive o homem. Precisamos de alimento, água, equilíbrio do sono, segurança, estima e tudo o mais que é necessário para a preservação da vida e a não satisfação das nossas necessidades pode levar a diversas disfunções físicas e psíquicas.
Se você der um prato de comida a alguém que dorme na rua, esta pessoa pode se sentir alegre e se satisfazer comendo, mas não ser feliz e nem ter grande prazer com isso. Alegria, então, não pode ser anunciada como felicidade. Contudo, uma pessoa feliz tende a ser mais alegre, porque se disponibiliza para isso, perde o medo de criar sua própria existência, investe no autoconhecimento como a ferramenta mais poderosa para estabelecer limites realistas para si mesma, de forma que não caia na teia das tentações de prazer momentâneas que terão um alto custo na manutenção da sua felicidade.
A alegria associa-se ao “estar” e a felicidade ao “ser”. Quem é feliz escolhe os prazeres aos quais vai se dedicar e as satisfações que precisa ter para suprir suas necessidades, sem se abandonar à própria sorte, acaso ou destino, porque compreende que ser feliz implica em construir o próprio caminho e colocar um pé à frente do outro com a atenção e o cuidado que o percurso requer, cultivando cada passo dado, para que o caminho seja o mais bem-aventurado possível.


segunda-feira, 8 de junho de 2015

OS DIAS DA SEMANA

           
Por João Oliveira – Psicólogo CRP 05/32031


Todos os dias nos levantamos com o propósito de ser ou fazer algo diferente, algo que seja perene e nos faça sentir útil, para tornar esse dia uma referência em nossas vidas. Se você não pensa assim deveria reestruturar sua forma de perceber o mundo pois, afinal, nosso período aqui é extremamente ínfimo e, cada dia que passa, é menos uma oportunidade de realizações.

Ocorre que nem sempre foi assim. Houve uma época em que os dias da semana não eram contabilizados e o homem não possuía uma expectativa de longevidade. Uma sucessão de claro e escuro, frio ou calor, sem a possibilidade de se fazer uma prospecção temporal. Essa, portanto, era a única realidade conhecida.

Porém, uma bela manhã, alguém se deu conta da presença de alguns padrões repetitivos como, por exemplo, as fases lunares. O seu formato parecia seguir uma ordem que se renovava em ciclos perfeitos. Além disso, as sombras das árvores e das montanhas nem sempre se moviam no solo na mesma direção, mas, de tempos em tempos (olha aí o padrão de novo) o movimento era exatamente igual.

Com certeza os indivíduos da comunidade onde esse grande observador vivia o chamaram de louco. Quem é que vai deixar de ir caçar para ficar observando coisas inúteis como sombras e o desenho da lua.

Justamente com a observação dos movimentos lunares nascia a primeira forma de contar, surge aí os primeiros passos da matemática, pois esse rudimentar astrônomo teve de juntar pequenas pedras para determinar a frequência das fases da Lua. Começou a traçar uma relação entre o número de fases e a presença do frio, da migração das aves, o aumento das chuvas e o brotar dos frutos nas árvores.

Agora existia uma linha reta que podia ser seguida. De posse dessas informações, o homem caçador/coletor era capaz de fazer suas previsões e estocar alimentos para o inverno, se deslocar para áreas com mais alimentos em determinadas épocas e, de acordo com a fase da Lua, prever uma boa ou má pescaria. A rotina mudou: a partir deste momento histórico o calendário estava estabelecido para sempre na vida da espécie humana.

Ainda existem padrões ocorrendo à nossa volta sem que estejamos cientes deles. Um amigo descobriu uma estranha relação entre a temperatura em que o dia amanhece em determinadas cidades do mundo e o volume de movimentação financeira no mercado de capitais. Não foi uma tarefa fácil. Segundo ele, foram anos de observações e muitas fórmulas matemáticas. Acredito que isso seja possível de existir de fato, afinal, ele é um expoente nesse tipo de atividade.

Quantos outros movimentos sincronizados estão acontecendo agora à sua volta sem que você esteja ciente deles?

As emoções das pessoas refletindo nas mais diversas formas de agir, como desejos de consumo. Será que isso pode ser um desses padrões previsíveis? A capacidade de antecipar necessidades não é algo que acontece por acaso é fruto, bem sabemos, de um profundo trabalho de análise comportamental.

Amanhã será um novo dia, diz o calendário que está colado com um imã na geladeira, pode ser algo totalmente novo ou apenas mais um vigoroso “X” feito com a caneta que elimina o tempo passado graficamente. Somente uma pessoa no mundo pode transformar isso, fazer com que seu dia seja memorável: você mesmo!



Olhe para onde ninguém está olhando, preste atenção nos detalhes que se movem rápidos ou devagar. Coisas novas surgem todos os dias de mentes observadoras. Não se importe com o que as pessoas pensam sobre o que você acredita, afinal, nem todos são capazes de ver além do claro e escuro que se sucedem diariamente.