PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

sexta-feira, 22 de maio de 2015

ASAS PARA VOAR



Por João Oliveira


                Olhando para o precipício Thuka percebia o quanto era pequeno diante da imensidão. As montanhas, que rasgavam a linha do horizonte, pareciam caber na palma de sua mão estendida, mas, ele as conhecia bem. Algumas podiam custar semanas de caminhada para se chegar ao topo: eram muito altas.

                Para os pássaros isso não era lá grande coisa. As águias iam e voltavam do topo ao solo muitas vezes todos os dias. Quem dera ele poder ter asas para voar. Como tudo seria diferente se ele pudesse transpor as montanhas, negociar ao norte de Myanmar e voltar, ainda sob o sol do dia, com as valiosas peças de jade e comprar belas camisas de seda.

Atravessar a cordilheira de Rakhine voando era seu sonho maior. Talvez o único que tivesse algum sentido. Todos os mercadores teriam que se curvar aos seus pés graças a capacidade de ir e voltar em um único dia e retornando com os alforges cheios de pedras.

Um dia algo inesperado irrompeu a madrugada. Uma forte luz o despertou com uma presença dentro de sua tenda.

- Queres asas para voar? – Disse a voz de uma donzela que se escondia atrás da luminosidade que o cegava.

Thuka, em um misto de medo e euforia, apenas balançou a cabeça em um movimento que pode ter durado mais tempo que o normal.

- Em nome de Bahá'u'lláh te dou as asas com que tanto sonhas. Que elas sejam dignas de pertencer ao seu corpo.

Da mesma forma vertiginosa que chegou, a luz atravessou o teto deixando Thuka ainda perplexo com o ocorrido.

Não mais conseguiu dormir. Um gosto estranho na boca e uma terrível dor nas costas tornaram essa a mais longa das noites de sua vida. Pela manhã percebeu o milagre proporcionado por Bahá'u'lláh: suas asas haviam brotado e ele podia voar.

Tornou-se não o maior, mas o único mercador capaz de ofertar as melhores pedras e os menores preço de todo o mercado. O jade lhe transformara em um homem rico e poderoso.

No entanto, uma tristeza lhe corria a alma. Nenhuma de suas lindas e caras camisas de seda lhe serviam. As asas permitiam apenas que ele usasse dhotis de linho atravessados em seu largo tronco. Era feliz, mas não plenamente porque também não havia uma cadeira onde pudesse se sentar confortavelmente. Às vezes, pensava que ter asas era um castigo recebido por causa de sua ganância sem tamanho.

Na vida, todos nós podemos passar por momentos assim. Em todo ganho há uma perda, isso é fato. O equilíbrio vem da capacidade de entender isso e se adaptar as alterações da realidade. A interpretação pessoal pode criar infernos e paraísos e isso só depende de cada um.

Procurar ressignificar os eventos que surgem em nosso cotidiano, ganhando ou perdendo, é o que nos faz superiores aos animais, seres incapazes de reflexões profundas. Navegar pelas formas pensamentos, que materializam em nossa mente sofrimentos desnecessários, é o mesmo que ser um barco sem leme em uma tempestade noturna.

Seu leme é sua mente. Mantenha sempre a direção correta pois, como sabemos, é possível navegar mesmo contra o vento.



sexta-feira, 15 de maio de 2015

INFLUÊNCIA



 Por João Oliveira

                O que é uma real influência?

                Provavelmente a gravidade exerce a maior influência sobre todos os corpos que habitam esse universo conhecido, pois tem a capacidade de alterar comportamentos, direções, de tudo que existe na forma física material. O que seria de nós sem a Lei da Gravidade.
                Pode parecer uma comparação absurda. Colocar o que entendemos por influência humana ao lado de uma das mais conhecidas leis da física tradicional. Ocorre que, de fato, o que se espera do bom resultado, quando alguém exerce forte influência sobre as outras pessoas, é que ele se torne como um sol, no centro de pessoas que o orbitam.

                Algumas pessoas possuem esse dom de forma natural e espontânea. Sua personalidade e a maneira como administra suas emoções acabam por fazer surgir uma espécie de charme que cria uma atração no meio social. Sim, você já deve ter imaginado que muitos artistas e políticos possuem esse talento natural e isso pode ser o segredo do sucesso deles.

                Mas, quem não nasceu com esse dom? É possível aprender a ser influente e emanar uma áurea de poder sem que seja necessário grande esforço? Sim, isso é possível.

                A técnica existe para elevar pessoas, ditas normais, ao nível de excelência dos talentosos. Para quem está interessado no assunto, aqui vão seis valiosas dicas de como se portar na presença de outras pessoas para exercer uma forte influência:

1)      Jamaisconverse movimentando os braços acima da linha do abdômen - Os braços no ar em paralelo com o osso esterno (peito) demonstram movimentos de defesa ou ataque. Quem possui segurança no que fala não eleva os braços.

2)      Nãose movimente muito - Tente ter o cuidado de evitar o movimento de pêndulo: ficar em pé, parado, balançando o corpo. Isso revela que existe um certo nervosismo em você.

3)      Falebaixo - com quem você está conversando? Se for com todo mundo fale alto mesmo, mas se for apenas com uma ou duas pessoas próximas de você, fale no volume adequado para que só elas ouçam.

4)      Nãodiscorde das opiniões alheias - concorde cem por cento com aqueles míseros um por cento que você pode concordar. Ou seja, descubra aquilo que você concorda com a pessoa e a apoie somente naquilo. Não perca seu tempo querendo mudar a opinião das pessoas. Elas não gostam disso.

5)      Estejasempre vestido para a ocasião - lembre-se sempre de dois detalhes que quase todo mundo (do sexo masculino pelo menos) se esquece: pés e mãos. Cuide para que os seus sapatos estejam sempre lustrosos e que suas mãos (unhas) estejam limpas. Esses pequenos detalhes são de altíssima importância tanto quanto os dentes em perfeito estado.

6)      Seja lento – por incrível que pareça as pessoas poderosas se movem quase que em câmera lenta. Seja rápido no raciocínio, no entanto, se mova sempre bem devagar. Quem emana influência não tem pressa para nada. Jamais coma, beba, ande ou fale rápido. Eles vão te esperar, não fique preocupado.

São apenas algumas dicas que, comprovadamente, funcionam. Claro, existem muitas outras. Justamente por isso, existem cursos como o INFLUENCE que foca em preparar pessoas, principalmente do sexo masculino, para exercerem forte influência sobre o meio social e/ou profissional onde circulam. Criar uma elevada autoestima, fazer crescer a sensação de segurança interna e fazer uma reprogramação mental é o intuito desse novo curso do ISEC em parceria com a PUA-TRAINING BRASIL. Caso você tenha interesse em saber mais, envie um e-mail para isec@isec.psc.br.



sábado, 9 de maio de 2015

O MEDO






Por João Oliveira

               Desde que nascemos conhecemos bem essa emoção: o medo! Ele está conosco mesmo antes de entendermos quem somos nós nesse mundo e, como todas as outras emoções, existe para auxiliar no processo de proteção à vida. Mas, será que o medo ainda possui a mesma utilidade de antes? E se ele estiver nos limitando a uma jornada de sofrimento desnecessário?

      O medo como emoção visa proteger-nos de situações que possam causar risco a existência. Assim, o medo do escuro, lugares altos, grandes quantidades de água, tempestades de raios e certos animais se justificam. Afinal, todas essas possibilidades colocam nosso organismo em situação de perigo. No entanto, outros temores não possuem uma justificativa válida e, pior ainda, o medo pode ser ativado mesmo quando não existe risco algum.

              O medo da morte natural, por exemplo, nos diz claramente que algo está errado no processo de interpretação da realidade. Não há dúvida que um dia todos os viventes terão seu momento de partida e isso é absolutamente normal, não existe outra forma: todos caminhamos em direção ao envelhecimento, adoecimento e morte. Com sorte podemos ter uma passagem tranquila e sem dor, melhor ainda se for durante uma noite de sono profundo.

          Tenho certeza que muitas pessoas tiveram algum tipo de desconforto ao ler o último parágrafo. Gostaria de lembrar que estamos focando apenas no medo normal, cotidiano e não em fobias. A fobia é um medo irracional que pode chegar a ser paralisante ao ponto de impedir o sujeito de viver produtivamente na sociedade. Em muitos casos, um simples processo psicoterápico de Dessensibilização Progressiva pode diminuir até níveis aceitáveis ou mesmo finalizar com a fobia.

               Podemos perceber também a ansiedade, que é um nome bonito que arrumaram para o medo ficar camuflado na sociedade. Ansiedade é medo de algo que não ocorreu ainda e que, muito provavelmente, nem irá ocorrer. Muitas vezes a ansiedade está de tal forma instalada no sujeito, que o objeto se perde, acarretando em um sentimento de agitação e estranheza, uma sensação de falta.

               Na falta de um real objeto a mente busca justificativa para a emoções instaladas e acusa qualquer movimento comportamental dos outros que possa ter uma mínima ligação com ela. Dessa forma, podemos nos desentender com muitas pessoas ou ficar aborrecidos com várias situações sem que elas tenham um relacionamento direto com o mal-estar provocado pelo estado de medo consolidado no organismo.

                Na fila temos o medo de ficar sozinho no futuro, de não se casar, de não ter dinheiro suficiente, de passar fome e tantos outros que podem ser empilhados além de nossa própria altura. O peso desse monte de medos funciona como um grande saco de pedras que arrastamos pela vida diminuindo nossa velocidade em ser feliz.
                Uma revisão se faz necessária para saber o que realmente faz parte de uma estrutura de proteção e quais escopos são absolutamente autossabotagem criados pela nossa mente sem ter a menor necessidade de existir. Somente essa reflexão pode eliminar boa parte do peso diário que carregamos.

               Pensar o que deve ser eliminado dos nossos pensamentos, organizar um projeto de vida mais leve sem as “pré” ocupações desnecessárias já seria um ganho importante. Isso sem falar no que poderia refletir na melhor saúde. Afinal, a ansiedade gera estresse e, como bem sabemos, esse é o inimigo número um da longevidade.

               Viver melhor é possível e, antes de mais nada, necessário. Faça sua parte consigo mesmo. Avalie quais as emoções que você prefere ter em sua mente e corpo.


               
               

                

domingo, 3 de maio de 2015

O REI E O SAPATEIRO

Era uma vez... quando foi
Eu bem ao certo não sei!
Porém sei que era uma vez
Um sapateiro e um rei.

Olha, Helena, o sapateiro
Era um pobre remendão,
Casado e com quatro filhos,
Que vivia quasi sem pão.

No recanto de uma escada
Noite e dia trabalhava,
E por allivio de máguas,
Esta cantiga cantava:

"Ribeiros correm aos rios,
Os rios correm ao mar;
São tudo leis deste mundo
Que ninguém póde atalhar:
Quem nasce para ser pobre
Não lhe vale o trabalhar!"

O rei tinha montes d'ouro
E joias em profusão,
E tinha mais que ouro e joias,
Pois tinha um bom coração.

Em vendo um pobre, acudia-lhe
Sem que o soubesse ninguem,
Que assim quer Deus que se faça.
E assim o faz tua mãe.

Por muitas vezes saía
Sem criados de libré,
E sósinho e disfarçado
Corria a cidade a pé.

Na rua do sapateiro
Passa o rei e ouve cantar:
"Quem nasce para ser pobre
Não lhe vale o trabalhar."

Isto uma vez e mais de uma
com voz que o pranto cortava,
E o rei condoeu-se d'alma
Do velho que assim cantava.

Chegado ao palacio ordena
Que lhe arranje o seu copeiro
Um bolo, do melhorio,
E que o mande ao sapateiro.

No melhorio do bolo
E' que estava o delicado,
Pois era de peças d'ouro
Todo, todo recheado.

Os pequenos, quando o viram,
Helena, imagina então,
Os olhos que lhe deitaram
Elles que nem tinham pão!...

Mas o pae a um seu compadre,
Que ás vezes o soccorria,
Foi dar de presente o bolo,
Sem ver o que nelle havia!

No dia seguinte o rei
Torna de novo a passar,
E com grande espanto seu
Ouve ainda o velho cantar;

"Ribeiros correm aos rios,
Os rios correm ao mar;
São tudo leis deste mundo
Que ninguem póde atalhar:
Quem nasce para ser pobre
Não lhe vale o trabalhar!"

Mandou-o chamar ao palacio,
E agastado então o rei
Lhe diz: " Que é das peças d'ouro
Que no bolo te mandei?"

O pobre do sapateiro
Tremendo conta a verdade:
Abalou-se novamente
O rei na sua piedade.

"Toma esta sacca", lhe diz,
"Ao erario vai daqui
Enchê-la de peças de ouro,
Que as peças são para ti."

Oh! Helena, suppõe tu
Qual foi a sua alegria,
Vendo que um thesouro aos filhos
Naquella sacca traria!...

Encheu-a a mais não poder,
Pô-la ás costas e partiu;
Deu quatro passos...nem tantos,
E nisto morto caíu!...

Na mão direita lhe acharam
Um papel onde se lia
Esta sentença, que o povo
Ser sobrehumana dizia:

"Eu para pobre o criei,
Tu rico fazê-lo queres;
Agora alli o tens morto:
Dá-lhe a vida, si puderes."



Bulhão Pato (1829-1912)

O COELHO



Por Beatriz Acampora
Psicóloga – CRP 05/32030


O coelho é um dos animais mais espertos que existe. Ele consegue alimentar seus filhotes de uma maneira muito original. Talvez poucos animais sejam tão perspicazes em proteger a cria quanto o coelho.

Quando um coelho tem filhotes ele cava um buraco até um determinado ponto para despistar o predador e deixa esse buraco aberto, depois ele se distancia deste lugar e cava um outro buraco, coloca seus filhotes dentro e cobre com a terra para que nenhum outro animal ache seu ninho, sua toca.

Este bicho muito esperto sabe o tempo exato que os filhotes podem ficar enterrados sem que isso cause prejuízo à vida deles. E, por isso, tem esta prática para se alimentar, ficar forte e poder amamentar seus filhotes, os desenterrando cada vez que faz isso.

O coelho, assim, consegue despistar seus predadores naturais, que não descobrem onde seus filhotes estão enterrados porque sempre se deparam com um buraco vazio.

Ocorre que, por outro lado, toda esta peripécia logística poderia ser mais eficiente se o coelho não tivesse uma terrível falha: ele faz o mesmo percurso todos os dias! Nunca muda seu caminho.

Dessa forma, o predador não precisa ficar fuçando à procura dos filhotes de coelho que se encontram enterrados. Ele simplesmente fica no meio do caminho à espreita, esperando sua presa passar e a captura ou, ainda, segue o coelho até ver este desenterrar seus filhotes, podendo capturar todos ao mesmo tempo.

Assim, o coelho, que cria estratégias tão específicas para proteger seus filhotes, fica vulnerável diante de seu oponente, isso porque não consegue sair da sua zona de conforto e busca aquilo que já lhe é conhecido, familiar.

Poderíamos questionar: “Mas ele já teve uma excelente ideia e ainda tem que pensar a mais?” Essa é a questão para a reflexão! Não basta ter uma excelente ideia, é preciso ter uma visão sistêmica, enxergar o todo e buscar estratégias complementares para que tudo funcione adequadamente sem prejuízos.

A vida implica em cuidado e isso abrange o que é simples e ao mesmo tempo o que é complexo. Como proteger o que nos é mais caro se não mudarmos o caminho percorrido? A trajetória de hoje pode ser prejudicial amanhã.

Buscar sempre um novo caminho, manter o campo aberto para novas possibilidades e encontrar novas formas de concretizar ações e ser feliz é a chave para não ser capturado. Entregue-se à sua criatividade e abra novas portas!


sexta-feira, 1 de maio de 2015

PEQUENAS METÁFORAS II


Por João Oliveira

TIGRES

   Já tarde da noite na floresta um grupo de tigres conversam animadamente:
- Já reparou no sabor diferente dos humanos de acordo com a religião de cada um?
- Sim... é verdade! Mas porque isso acontece?
- Olha! – Disse um mais velho – Eu acho que é por conta da alimentação. Algumas religiões são contra comer carne vermelha, por exemplo, assim o sabor da carne dos humanos fica mais adocicado.
- Hum... mas eu prefiro os mais salgadinhos. Como faço para diferenciar na hora do ataque?
- Muito fácil: os que não correm são hares krisnhas e espíritas (nem sempre o gosto é bom); Os que começam a rezar baixinho são os católicos, às vezes alguns são bem gordinhos e saborosos; aqueles que gritam apontando o dedo para o alto são os islâmicos e os que começam a tentar negociar conosco são os judeus.

GALINHAS

   O galinheiro estava em polvorosa era a segunda reunião da semana:
- Isso não pode continuar assim! Temos nossos direitos! – Disse um galo sobre o poleiro mais alto fitando as quase 300 galinhas.
- O que devemos fazer? – Perguntou uma das galinhas em meio à multidão revoltada.
- Devemos exigir melhores rações, mais espaço para ir e vir, direito a cuidar de nossos próprios filhos. Alguma de vocês já viu seus pintinhos depois que nascem? Vocês só veem os ovos, isso está errado!
      Essas palavras realmente incitaram as galinhas que começaram a cacarejar muito alto. Assim, o dono da fazenda, pensando que era fome, começou a jogar milho no galinheiro. As galinhas entraram em debandada, cada uma procurando comer mais que a outra. Acabou a reunião.
       O galo, triste no alto do poleiro filosofou:
- Triste das galinhas que são controladas pelo milho de cada dia.

PATOS

        Nas ruas de uma cidade da Europa:
- Então você entendeu?
- Claro, você aparece e faz gracinhas com os turistas que eu faço a minha parte.
- Perfeito! Veja lá vem um pequeno grupo...
      Dito isso o pato voou até o turista e começou a bicar no chão na frente deles.
- Oh! Coitado, ele deve estar com fome – Disse uma senhora.
- Tome aqui minhas batatinhas fritas – Se aproximou um homem.
- Ele é lindo! – Falou um rapaz.
       Logo um grupo já estava em volta do pato engraçado enquanto outros patos se aproximaram por trás dos turistas que estavam interditos. Sem muito aviso, os patos voam e o pato artista acompanha os demais.
- Então, o que conseguimos? – Pergunta o pato que atraiu os turistas;
- Duas carteiras cheias, um passaporte, dois relógios e um celular smartphone.
- Excelente! Ninguém é melhor que nós: os Patospockets!

PORCOS

- Percebeu que o chiqueiro está diferente?
- Não notei. O que mudou?
- O cheiro... estou usando agora uma lavagem mais suave no ambiente. Veja, as cascas estão todas desse lado e as sobras desse. Não ficou mais arrumado.
- Querida, você sabe que nem reparo nessas coisas. Ficou bom é verdade, mas isso não era necessário. Tanto trabalho à toa.
- Não é à toa não, nós merecemos coisa melhor. Você é que é um ignorante e não valoriza o que é bom.
- Cadê as crianças?
- O fazendeiro passou aqui cedo e as levou. Saiu com a caminhonete cheia de animais em direção à cidade.
- Que bom. Pelo menos assim teremos uma noite tranquila.
- Quando ele voltar vou tentar me fazer entender sobre a nossa dieta: têm muito carbo-hidrato aqui... parece que ele quer matar a gente de gordo.
- Bom! Vale lembrar o que aquele leitão maluco falava, que ele nos engorda para depois nos matar e comer.
- Ridículo. Quem iria comer animais que se alimentam de restos e vivem na lama andando sobre as próprias fezes? É isso que nos protege amor: nossa miséria!




PEQUENAS METÁFORAS


Por João Oliveira

GADO

                Duas vacas conversavam no meio do pasto em uma ensolarada tarde de outono:
- Eu não disse que iria funcionar.
- Impressionante a simplicidade de sua proposta: nenhum esforço e resultado total!
- Pode me chamar de gênio, pode ser que eu tenha revolucionado a maneira de interagirmos com os humanos.
- Eu acho que sim. Por centenas de anos essa é a primeira inovação real. É algo para se comemorar.
- Então não tem erro: quando vir o caminhão do abatedouro fique de joelhos!
- Como você sabia que eles não iriam nos levar para o matadouro?
- Simples: o caminhão não tem acessibilidade.

Besouros

                Nessa mesma tarde de outono, em outro ponto do pasto dois besouros também conversavam animadamente:
- Só tenho a te dizer o óbvio: é impossível!
- Eu sei, eu sei, mas eles se locomovem mesmo assim. Ferindo todas as leis da física.
- Como é possível? Veja, são apenas duas pernas. Parecem que sempre irão cair, aí uma perna corre e socorre a outra devolvendo o impulso. Impressionante que eles consigam se manter de pé.
- Tem coisas, amigo, que só pode ser obra de Deus. Tecnicamente os humanos não seriam capazes de andar. Isso não pode ser replicado com segurança de nenhuma forma.
- Mesmo assim eles andam e correm. Sabe de uma coisa, vamos voar que é mais fácil.
- Vai ver que o criador tem uma preferência maior pelos humanos. Só isso explica esse fato.

MAR E SOL

- Claro que sou eu o Rei sobre a Terra e os humanos – disse o sol imponente.
- O que te faz pensar isso? – Falou o mar em meio ao turbilhão de suas ondas.
- Sou eu quem dá à vida. Se não fosse a minha força, luz e calor não existiria nada além de uma massa de gelo.
- Impressionante como você é humilde...
- Você não é nada. Veja como os humanos, raça que só existe graças a minha presença, eu o rei do céu.
- Se é assim, porque todo se curvam diante de minhas ondas em todas as praias do mundo?

PAVÃO

Lá estava no alto da montanha, tarde da noite, a velha Pavoa reunida em seu ninho com vários filhotes de pavão.
- Vejam aquelas luzes lá embaixo. Jamais se aproximem de lá...
- Lá é a cidade dos humanos? – perguntou uma pequena pavoa ainda com casca sobre as penas.
- Sim. Lá vivem os humanos.
- É muito perigoso lá embaixo? – perguntou outro filhote da ave.
- Demais, corremos risco o tempo todo.
- São os humanos que são maus?
               A velha andou em círculos pelo ninho, levantou o pescoço e disse em tom solene:
- Pior, são os carnavalescos.