PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

domingo, 29 de setembro de 2013

Dia do Hipnólogo 25/09/2013



No dia 25/09/2013 foi comemorado pela ALERJ o Dia do Hipnólogo

Ao lado de meus amigos Dr. Ângelo Tasso, Fernando Fenix e Omar Fyer

Com o Dep. Marcelo Simão e Beatriz Acampora na composição da mesa na Sessão Solene

O evento ocorreu no Auditório Senador Nelson Carneiro na ALERJ

Beatriz ao lado do Dr. Luis Monteiro da UNESA

A ALERJ ofertou Moções de Aplausos a vários profissionais 

O ISEC foi homenageado

O auditório estava completamente lotado

Momento em que recebia a Medalha de Honra Ao Mérito Franz Anton Mesmer

Beatriz Acampora também recebeu

Dr. Angelo Tasso

Turma de Análise Comportamental de 28/09/2013

Turma espetacular: (na foto da esquerda para direita)
 Bruno Costa Ribeiro de Souza,
Mariana Eloy Abrunhosa, 
Gabriel Brito Leite,
Bruna Costa Peixoto Primo
Eu (joão Oliveira) 
 Florival Francisco Ribeiro
Iara Cássia de Brito freire
Damis Almeida Nemitz 
Cassia CRISTINA Breia
Marcus Vinicius de Miranda da Silva
ELAINE CRISTINA ARAÚJO AGUIAR
 


sexta-feira, 20 de setembro de 2013

A FACE NÃO MENTE JAMAIS





Por Prof. Msc. João Oliveira

         As questões ligadas a Análise Comportamental sempre elencam questionamentos quanto à validade do uso pleno da verdade contra a prática da mentira social. Sempre colocamos, em nossos treinamentos de análise comportamental, os quatro perfis mais comuns da mentira.

               Sem querer ser repetitivo, pois, já tratamos deste tema em junho/13 vale à pena colocar de novo em pauta para fomentar o debate:

1)      Mentira Social – mais presente em nossa vida atual. Não esconde nenhuma intenção maldosa grave, ocorre de forma natural e, já é praticamente esperada numa conversação social. Não há grande alteração na linguagem corporal ou nas expressões faciais. Em alguns casos o mentiroso pode exibir desprezo ou desdenho, microexpressões, de acordo com sua intimidade com o sujeito à sua frente. São observações sobre aparência, estado de ânimo ou falsas concordâncias. Nada que possa criar prejuízo ao alvo da mentira. Sem este perfil da mentira os elos sociais seriam destruídos facilmente. De fato, o próprio mentiroso não se dá conta do que está fazendo.


2)      Mentira Estratégica – Nesse caso, a intenção da mentira, que é obter algum tipo de lucro ou vantagem, provoca um estado de ânimo especial no mentiroso e, sua movimentação corporal se torna muito eloquente. Ele projeta o corpo à frente, amplia argumentos verbalizados, faz aquele movimento conhecido com olhos acima à direita (sendo destro), criando imagens em sua mente, gesticula muito etc. Sintetizando: ele quer convencer a todo custo.


3)      Mentira por Medo – aqui o mentiroso teme que, se a verdade vier a público, um prejuízo (ou punição) cairá sobre ele. Sua linguagem corporal pode tender à retração, ocultação das palmas das mãos, surge uma tendência de colocar objetos entre ele e o sujeito inquisidor. Seu olhar pode tentar fugir, as expressões faciais ficam mais tensas demonstrando medo, espanto ou raiva de acordo com o nível de pressão que estiver sendo submetido e o seu comprometimento com a falsa história relatada. O tempo de resposta muda, fica mais lento, e os pés, muitas vezes, irão apontar em outra direção, provavelmente para a porta de saída do lugar onde se encontra.


4)      Mentira de Preservação – ocorre quando o instrumento da mentira é utilizado para poupar alguém de uma notícia devastadora. Quando isso ocorre, a emoção que prevalece, nas expressões faciais, é a tristeza. O rebaixamento do tônus verbal e da postura corporal podem indicar, também, que existe algo muito ruim que não está sendo dito. Claro que a intenção de quem mente nesse caso é boa e, assim, esse se torna um bom argumento para afirmar que, às vezes, a mentira é necessária.

Fato é que não basta apenas identificarmos se a pessoa mente. O grande problema reside em saber os motivos que a levam a ter esta postura comportamental. Estas observações dos quatro tipos mais comuns estão restritas a pessoas normais e que sabem que estão mentindo. Muitas vezes a pessoa replica algo que ouviu sem ter checado se o fato realmente era verdadeiro e, neste caso, a pessoa que fala não mente, apenas relata o que tem como verdade – embora de fato não seja.

Já os profissionais da mentira – atores – ou os doentes, portadores de distúrbios, podem se tornar indetectáveis o que elimina a possibilidade de um super treinamento para dotar seres humanos da capacidade de serem polígrafos ambulantes.

Não existe um único sinal que revele a mentira e, mesmo os sinais aqui expostos podem estar relacionados ao contexto físico ambiental. Coçar o pescoço pode ser uma súbita elevação da pressão arterial e a rápida passagem do sague pelos vasos periféricos – algo que caracteriza alteração psicológica – mas também pode ser o tecido incômodo da gola da camisa.

Assim não é possível solucionar de forma tão fácil o problema da mentira. Aliás, se for mentir, faça isso sorrindo. Mesmo um sorriso falso irá tirar do cérebro a capacidade plena de atenção ao conteúdo; ocorre que fomos preparados geneticamente para valorizarmos o sorriso acima de tudo. Afinal, da correspondência ao sorriso da mãe depende a sobrevivência do bebe recém nascido. 

Já sobre a análise das emoções e suas expressões temos uma outra história e, com esta estrutura de percepção bem alinhada não há como ser, de fato, traído pelo outro numa abordagem comunicacional.

Um último alerta: jamais pense que um conhecimento como este irá trazer a solução para os problemas de comunicação se você não estiver preparado para não se deixar influenciar pelas opiniões alheias. Ao contrário, um sujeito suscetível irá sofrer muito ao perceber, nas microexpressões faciais, emoções negativas aos seus argumentos ou sua simples presença. Saber contornar e alinhar relacionamentos pela identificação de características refratárias apresentadas de forma inconsciente é o grande trunfo de um bom praticante de análise comportamental.


Próximo Treinamento 28/09/2013 em Copacabana- Rio de Janeiro – detalhes em http://isecrio.blogspot.com

terça-feira, 10 de setembro de 2013

O GIGANTE E O ANÃO



Por Prof. Msc. João Oliveira


                     Quando ele se apresentou para negociar com o gigante todos ficaram aliviados, afinal, ninguém queria enfrentar o monstro de frente. Aquele gigante era mal falado, sua fama ia longe, muito além de todas as aldeias que ele havia incendiado. Todos diziam que ele era assim, raivoso, por ter uma perna menor que a outra.

               Como mancava ele não conseguia participar de todas as campanhas militares junto com os outros gigantes e, por conta disto, vivia atazanando a vida dos aldeões que moravam perto da sua caverna.

- “Alto lá senhor Sr. gigante!” – disse o anão em tom autoritário – “Sou Berromeu e vim negociar um tratado de paz com o senhor!”

- “Ha, ha, ha!” – gargalhou o gigante que, de tão forte o som, fez surgir uma avalanche lá nas montanhas distantes.

               Imagine um gigante grande! Imaginou? Bom, este era o dobro deste tamanho que está na sua mente. Agora, pense em um anão bem pequeno. Pensou? Ocorre que o anão da nossa história era 10 centímetros mais baixo que este que você pensou agora. Ou seja, a diferença era muito grande de tamanho e força entre os dois personagens.

- “Quem é você para achar que pode negociar comigo?” – Questionou em tom enfurecido o gigantesco ser de natureza mitológica.

- “Lhe disse, sou Berromeu, e sou capaz de tirar você de uma grande dificuldade com os meus dons de artífice.”

- “O quê? Como ousas? Você é um animal insignificante, que grande dificuldade é essa que pensa que posso ter?”

               O gigante deu um passo e ficou bem próximo ao anão. O tamanho da bota dele era maior que a casa onde Berromeu vivia com seus doze filhos e esposa. Não que casa de anão seja grande, mas, um ao lado do outro, dava para notar que não havia nenhuma chance de termos um final feliz nesta conversa.

- “Se eu quiser te mato com uma só pisada, seu anão metido a besta!”

- “Você pode mesmo fazer isto! Mas acredito que, se assim fizer, ira mancar pelo resto da vida!”

- “O quê? Você é um verme muito atrevido! Vou te esmagar” – disse o gigante já levantando o pé.

- “Você não pode me matar, pois sou o único que pode consertar sua bota...” 

               Foi interrompido pela brusca pisada do gigante. Berromeu foi completamente esmagado. Não sobrando nada além das vestes puídas no chão.

- “ha, ha, há...”- gargalhou novamente o ser descomunal – “Quem é o próximo?”

               Um terrível silêncio terrível se apossou de todos os anões que viviam naquela pequena vila. Sabiam que estavam condenados a uma vida de trabalho escravo a mercê dos humores do gigante assassino.

- “Não senhor” – falou bem baixo o mais velho dos anões – “Estamos todos às suas ordens. O que deseja de nós?”

- “Bom, para começar, eu gostaria de saber do que falava o falecido a respeito das minhas botas?”

- “Bem, caro senhor gigante, ele era sapateiro e, acredito, pensava em fazer uma bota com o solado maior, em um dos lados, para que o senhor pudesse caminhar sem mancar.”

- “Mas isso é ótimo!” – sorriu finalmente o gigante – “Vamos fazer essas botas então!”

-  “Não podemos senhor.” – disse de cabeça baixa – “ Berromeu era o último sapateiro anão e o senhor acabou de matá-lo!”

               Assim sendo, como você já pode adivinhar, o gigante mancou pelo resto da vida e nunca conseguiu algo além de esmagar pessoas menores que ele. Jamais conheceu a vitória diante de um desafio que fosse um mícron maior que ele.

               Ocorre que, às vezes, a necessidade, de tão grande, se torna cega e não percebe a oportunidade bem à sua frente.


Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

O GOLPE





               Sentado na praça ele olhava a ponte sobre o rio com uma mórbida intenção: dar fim ao sofrimento. Pensava se milagres existiam e, caso ele fosse abençoado algum dia, iria fazer o melhor possível para retornar ao mundo qualquer mínima dádiva recebida. A cabeça estava baixa quando sentiu alguém se sentar atrás dele.

- Bom dia! – disse o homem em tom forte e pesado.

- Poderia ser melhor. - responde sem ao menos levantar a cabeça.

- Tenho algo a lhe dizer, mas peço que não tente se virar para me olhar, isto seria um grande problema para nós dois. 

               A voz tinha uma carga de autoridade e o homem, recém-chegado, disse que sabia de todos os problemas que ele enfrentava. Das dívidas com o banco, a situação de saúde de sua esposa e a falta de dinheiro para comprar remédios. Disse mais, ele acreditava que o pobre homem tinha uma missão a cumprir e estava ali para ajudar a se tornar real.

- Mas como o senhor poderia me ajudar? – Pergunta o sofredor mantendo o olhar na ponte.

- Você acredita que R$ 10.000,00 na sua conta resolveriam seus problemas?

- Claro que sim! Melhor seria se tivesse R$ 10.000,00 todos os dias. - e riu, riu muito de sua própria ilusão.

               O misterioso homem se levantou e falou em tom profético:

- Está consumado! Dê atenção a sua missão! Boa vida!

               O nosso pequeno desafortunado não se conteve e virou o corpo para ver quem estava falando com ele: ninguém! O banco da praça estava vazio e nem menos alguém por perto havia. Ele estava sozinho naquele lugar. Uma ideia passou imediatamente por sua cabeça, além de endividado agora estava, também, ficando doido.

               No outro dia uma surpresa em seu saldo: R$ 10.000,00 haviam sido depositados! Isto foi um enorme susto e, preocupado, foi ao banco saber se não tinha ocorrido um engano. Estava tudo certo, o depósito havia sido feito em dinheiro em outra agência e não havia nenhuma reclamação sobre equívocos de contas. O dinheiro estava ali e podia ser usado. 

               Tirou um pouco para comprar remédios e resolveu aguardar mais um pouco para ver se o dono do dinheiro reclamaria. Isto não ocorreu e, no outro dia, mais R$ 10.000,00 foram depositados. O impossível estava acontecendo, o homem misterioso da praça estava fazendo valer sua palavra. Seus problemas acabaram!

               Pagou as dividas, comprou remédios, mudou de casa, comprou um novo carro, viajou e, todos os dias, mais R$ 10.000,00 apareciam em sua conta bancária. Tudo estava indo bem até que um sonho o despertou no meio da noite: e a tal missão?

               Um pensamento obsessivo tomou conta de todo seu ser, que missão seria essa? Será que este homem misterioso era, de fato, o demônio que queria sua alma? Seria um traficante tentando lavar dinheiro e, aguardando o momento certo para tomar tudo de volta com juros? Seria essa missão ter de matar alguém e o dinheiro era o pagamento por este trabalho que iria realizar no futuro?

               A vida se tornou um inferno. Não conseguia mais comer nem dormir direito, pois, a preocupação com o “trabalho” para pagar tanto dinheiro não deveria ser coisa fácil. Como poderia saber o que iria ter de fazer? Enfim, surgiu uma sensacional ideia, voltou à praça e se sentou no mesmo banco.

               Durante dias vez o mesmo ritual. Levantava cedo, sentava no banco da praça e dali só saía ao anoitecer. Não tinha fome mesmo, pelo menos os pombos lhe faziam companhia. No sétimo dia sentiu o calor de uma presença sentado atrás dele:

- Por que me chamou? – A voz não era nada amigável.

- Caro senhor, estou em sofrimento com a responsabilidade que me passou. Este dinheiro todos os dias e não sei o que fazer para retribuir tal generosidade.

- Generosidade? Sofrimento? Não entendo sua confusão, sofria por não ter dinheiro, agora sofre por não saber o que fazer com ele? – O misterioso homem se levantou –  Não se preocupe, está consumado, não terá mais este sofrimento nem compromisso. Viva e seja feliz!

               Desta vez um vento frio soprou e uma nuvem negra e espessa cobriu o sol. Ao longe ele ouviu um trovão e teve certeza que estava livre do compromisso da tal missão. Virou-se e, como já era esperado, não viu ninguém na praça.

               Ao chegar à casa se deu conta que todo o dinheiro que estava depositado havia desaparecido e, mais ainda, sua dívida agora era muito maior. Fez as contas e, nem mesmo vendendo tudo que tinha conseguiria pagar o saldo negativo no banco. Não havia construído nada produtivo quando estava com recursos e agora não tinha como retroceder. Voltou à praça por vários anos, mas nunca mais alguém se sentou próximo a ele.

               Pode ser que, ao pedir, sejamos atendidos. No entanto antes é necessário ter um plano de ação de resposta ao perene universo que, pacientemente, pode dar e tirar: tudo! Ele fará isso sim, não apenas uma vez, mas sempre que estivermos fora de nossa missão.

               Qual é a sua?