PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

segunda-feira, 29 de julho de 2013

COMO ESCRAVIZAR





Por Prof. Msc. João Oliveira

               Durante toda a história da humanidade sempre veremos alguém, ou algum grupo, tentando escravizar outro. Fazer com que “eles” estejam produzindo sem questionamento das ordens, cegamente fazendo tudo que lhes for ordenado isto é, sem dúvidas, o sonho dos déspotas, dos maus políticos, falsos empresários e, líderes (de toda natureza) sem escrúpulos.

               Hoje, nesse pequeno texto, poderei auxiliar que possui na genética esta vontade de dominar o próximo. Por favor, não me julguem por isso, apenas tentarei colocar meu ponto de vista das várias maneiras de como isso pode ocorrer. Na verdade são três formas:

1)      Pelo Medo: Uma maneira de escravizar uma pessoa e fazer com que ela obedeça todas as suas ordens sem nem ao menos pensar em consequências é pelo medo. Ameace e vida dela ou de algum parente ou então, sendo mais ameno, corte a forma de sustentação da vida dela e, seja o único capaz de prover alimentos. O medo de ficar sem sustento e não ter a como manter a família, fará dessa pessoa um excelente trabalhador capaz de qualquer coisa para manter a sua estrutura mínima de vida.

Observação ao método do medo: Isso já foi feito muitas vezes e sempre acaba mau para o opressor. Assim que o oprimido vê uma chance qualquer de se livrar (pode ser matando) seu algoz ele o fará sem pensar duas vezes. Basta que ele descubra um mecanismo de sustentação e tenha uma oportunidade de escapar. Muitos dos grandes nomes que dessa forma agiram, foram assassinados pelos próprios guardas de segurança ou pessoas íntimas.


2)      Pelo Dinheiro: Provavelmente a mais usada. Pode-se escravizar alguém pelo dinheiro, ou você pensou que o termo escravizar estava restrito a trabalho sem remuneração? Claro que não! Escravizar tem um sentido mais amplo, uma forma de aprisionar a pessoa aos seus comandos e isto, pode se dar, comprando a fidelidade das pessoas. Quanto mais dinheiro for colocado maior será a fidelidade, pois, muitas pessoas, tem preços pré-estabelecidos na cabeça e podem, de fato, fazer “qualquer coisa” por algum valor que lhes interesse.

Observação ao método do dinheiro: Este modo de acorrentar as pessoas não é o mais seguro de todos, pois contém, em si, a própria fraqueza exposta. Raciocine um pouco: um ser que tem no dinheiro a única motivação é só colocar mais alguns reais na negociação e ele mudará de patrão! Veja que, agindo apenas com a relação material, não será criado um envolvimento mais profundo, de fidelidade. Assim sendo não pode haver garantias de continuidade a longo prazo, afinal, até mesmo os maiores recursos um dia findam.

3)      Método infalível: Existe uma forma, provavelmente a única, de aprisionar alguém sem gastar um tostão, sem intimidações e, pode anotar, com uma fidelidade longeva. Trata-se de uma forma tão ardilosa e severa de escravização que vem sendo utilizada todos os dias, com grande sucesso, pelos maiores líderes de nossa humilde nação. Claro que não é uma invenção nossa este método tem milênios, no entanto aqui encontrou uma forma viral de propagação. Como funciona? Fácil: pela esperança!

Observação ao método de escravização pela esperança: tenha sempre uma nova promessa pronta para oferecer. Quando falar sobre o que pretende fazer pela pessoa, mantenha o olhar para o alto e distante, dando a entender que o prêmio está no futuro. Quando perceber que eles estão, por algum motivo, desanimando e ficando sem expectativas de um resultado real pelos serviços prestados, apele para a fé. Decore alguns versículos (novamente olhe para o alto e distante) e declame com emoção profunda. Pergunte aos escravos se eles não têm fé! Isso sempre funciona. De quando em vez seja benevolente com um dos serviçais e dê-lhe alguma vantagem. Isto servirá para propagar que “quem espera sempre alcança”.

               Claro que, se você souber usar os três métodos, de uma única vez, terá um resultado monstruosamente eficaz. Neste caso, meus parabéns, você está eleito!
              

segunda-feira, 22 de julho de 2013

AUTOESTIMA EM ALTA





Por Prof. Msc. João Oliveira

               As palavras têm força e podem alterar destinos. Sendo ditas pelos próprios pais mais ainda. Caso a criança seja alvo de palavras depreciativas ou, verdadeiras agressões verbais, ela pode desenvolver uma baixa autoestima. Nós sabemos que isto pode ser um real problema na vida adulta e, que, além disto, pode ter um feito multiplicador (como se fosse genético) possivelmente chegando à prole deste indivíduo. 

               Sem pensar nas consequências muitos adultos gritam com os seus filhos e dizem coisas como estas:

·        Você não presta
·        Você é muito burro
·        Você sempre estraga tudo
·        Você me irrita profundamente
·        Você vai ser sempre um fracasso
·        Você não vai servir para nada quando crescer
·        Você é uma peste
·        Não sei para que você nasceu
·        Tenho vergonha de você
·        Você é um inútil
·        Você não faz nada certo

“Cada uma dessas frases gera um sentimento de inadequação, de desamparo, uma vez que a base para a construção de uma identidade tem início na infância e é muito difícil construir uma imagem positiva de si mesmo quando os próprios pais não tratam a criança com respeito e dignidade.” Nos diz Beatriz Acampora em seu livro: “Autoestima: práticas para transformar pessoas”, Editora Wak, 2013.

Ainda neste livro encontramos frases que podem, de fato, incitar o surgimento de uma elevada autoestima na criança que, com certeza, irá modelar o seu promissor futuro, algumas reproduzo abaixo:

·        Você é muito inteligente e está melhorando a cada dia!

·        Esse exercício está incorreto. Tente novamente, sei que você é capaz de conseguir!

·        Você pode melhorar sempre! Estou torcendo por você!

·        Errar faz parte da vida! Quando erramos também aprendemos! Continue tentando e vai ficar cada vez melhor!

·        Procure ter mais cuidado com suas atitudes. Às vezes algumas pessoas podem ficar magoadas com que você fala ou faz e se afastarem. Pense no que pode acontecer antes de falar algo ou se comportar de determinada maneira.

·        Isso é apenas um contratempo que logo será superado. Vá em frente, você é um vencedor!

·        Você é muito importante para mim, para os seus amigos, para a sua família e para muitas pessoas que convivem com você!

Não é uma fórmula infalível de sucesso, afinal, outros fatores fora da casa podem influenciar também na implantação de um autoconceito negativo, mas não há como prejudicar (muito pelo contrário) agindo assim com os filhos.

Caso tenha interesse em saber mais sobre o tema, o livro da Beatriz Acampora pode ser encontrado nas grandes livrarias do país ou pela internet no site da própria Editora Wak.
              

segunda-feira, 15 de julho de 2013

A PIOR EMOÇÃO





Por Prof. Msc. João Oliveira

               Existe quem diga que a raiva é a pior emoção. Já debatemos sobre isto em outros textos e, alguns pesquisadores também concordam que, se bem direcionada a raiva funciona como combustível de foguete na obtenção de resultados. Também não creio que a tristeza seja a pior emoção, afinal nenhuma emoção natural (são seis) é ruim, todas estão a serviço da manutenção da espécie humana. Algumas perderam um pouco o sentido e são, em nossa sociedade, camufladas para não demonstrarem nossas fragilidades (tristeza e medo), outras surgiram e se tornam, a cada dia, mais universais (desprezo e desdenho). A verdade é que, a meu ver, a pior emoção foi igualmente desenvolvida no caminhar da espécie e se chama, em nossa língua: indiferença.

               O ódio sentimento forte e enraizado é diferente da raiva, emoção passageira. Por pior que seja, o ódio tem objeto, ou seja, reconhece algo ou alguém que é foco de sua atenção. É possível, inclusive com certa facilidade, reverter este sentimento caso o tal objeto faça algum esforço neste sentido. Exemplo, você mantém esse sentimento por alguém anos seguidos, um dia essa pessoa se reúne com você, pede perdão, se desculpa, paga um bom vinho e, tudo se acerta, pois, na verdade, o ódio nasce de um não reconhecimento de alguma situação. Resolvendo o ponto, pode-se prosseguir. Claro, existem pessoas incapazes de perdoar, mas, nesse caso, estamos falando de pessoas saudáveis.

               Já a indiferença é horrível afinal não reconhece objeto. É como se o outro sequer existisse no mundo. Um exemplo disto, que você pode ver ainda hoje, são os pedintes na rua. Algumas pessoas passam, ao lado, e não percebem a existência de um morador de rua, uma mãe com uma criança no colo ou um menor sendo mal tratado pela vida. Mais ou menos como se pertencessem à outra dimensão fora da percepção humana. Isto é indiferença.

               O grande problema reside na questão que a indiferença está ganhando espaço em quase todas as modalidades de atuação do seu humano. 

               Estamos nos tornando indiferentes a tudo: ilegalidade, violência, falta de pudor, risco a doenças, alimentação e, o mais importante, a outros seres humanos. Como se algo maior ocupasse todo o espaço de nossa humanidade. Claro que temos um nome para isso também, chamasse ego!

               A indiferença é, portanto, irmã gêmea (univitelina) do egoísmo. Quanto mais centrado em nós estamos, mais indiferentes a tudo ficamos, desde que, não venha a ferir alguma coisa que julgamos ser nossa por direito. A sociedade marcha para uma apatia extrema onde só os interesses pessoais (extremos) são percebidos pelo sujeito principal. Aliás, o mundo passa a girar em torno dele.

               Tente fazer uma pesquisa sobre isto usando apenas sua observação pessoal. Veja o movimento das pessoas nas ruas, a arrumação das filas, as conversas de elevador (existem?). Sim, o futuro nos reserva algo muito ruim se o ritmo continuar como está, porém, devo acrescentar, nem tudo está totalmente perdido.

               Outro dia estava indo para o consultório bem cedo e uma cena impressionante chamou a atenção de todos na Rua Barata Ribeiro quase esquina com Siqueira Campos em Copacabana (Rio). A Barata Ribeiro (tal qual a Av. Nsa. De Copacabana) têm um trânsito infernal a qualquer hora do dia ou da noite, pela manhã então nem se fala, é algo dantesco pela quantidade de ônibus, carros, caminhões e táxis. Raro mesmo é se ver uma bicicleta, coisa que é foco desta narrativa.

               Um senhor de idade estava atravessando, fora da faixa, empurrando uma bicicleta de carga cheia de laranjas. Havia uma pilha de laranjas acima no nível do compartimento de transporte. O sinal abriu! Ele estava no meio da rua e se assustou com as buzinas. A bicicleta caiu e dezenas de laranjas rolaram por toda extensão da Rua Barata Ribeiro. 

               Um momento de absoluta tensão. Um ônibus tinha acelerado violentamente, ao abrir no sinal, parou quase encostando ao pobre homem, que, trêmulo, acabou caindo sobre a bicicleta. O que se passou a seguir demonstra que ainda existe esperança para a raça humana. 

               O motorista desceu do ônibus para ajudar a catar as laranjas. Todo o trânsito parou, ninguém teve coragem de esmagar as frutas que ainda rolavam aqui e ali. Outros motoristas também deixaram seus carros para ajudar o velho senhor a se erguer com sua bicicleta, o guarda municipal deixou a movimentada esquina e se juntou ao mutirão de catadores de laranja.

               Confesso que a cena me paralisou de tal forma que nem ao menos me lembrei de filmar ou tirar um foto com o celular. Fiquei olhando, congelado no tempo, e, por alguns momentos, esqueci se estava indo ou, vindo de algum lugar.

               Todo episódio durou algo em torno de quatro ou cinco minutos no máximo. Todas as laranjas de volta a recipiente e o senhor tendo sua dramática travessia finalizada. Entretanto, acredito, irá permanecer para sempre na memória dos atores envolvidos e nos espectadores (como eu) que lá estiveram. 

               Claro que, alguns instantes depois, a rua se tornou novamente impessoal e a vida seguiu seu rumo. Quem sabe, com alguma correção na rota.
              
              

segunda-feira, 8 de julho de 2013

PROFUNDO




Por Prof. Msc. João Oliveira

               Ainda existe muito que se discutir sobre os estados emocionais. Principalmente pelo fato da ausência de palavras (isso em todos os idiomas) para a perfeita identificação do que sentimos e como expressamos. O problema semântico se agrava quando tentamos explicar em palavras algo que só existe internamente e, pode, ou não, estar manifesto nas expressões faciais. Para podermos dar uma noção da gravidade desse real problema, devemos, antes de tudo, diferenciar alguns desses estados emocionais:

O que são as ditas emoções? As emoções são reações rápidas a estímulos externos percebidos ou imaginados pelo indivíduo. Podem ter diferentes nuances de acordo com a interpretação que o sujeito tem da situação em particular. Os pesquisadores divergem sobre o que seria de fato uma emoção, a certeza que temos é que, todas elas, têm origem na tentativa da evolução humana de preservar a espécie. Os motivos para acionar o sistema endócrino são evolucionários, no entanto, as interpretações é que são culturais e, portanto, muito diferentes dos gatilhos originais vividos por nossos antepassados nos primeiros grupamentos humanos. Podemos, por exemplo, pagar para sentir medo ou ir a um cinema assistir um filme de terror, a reposta interna do susto pode ser idêntica a de um perigo real.

E os sentimentos, como se diferenciam das emoções? O sentimento é uma construção maior de uma estrutura emocional vivenciada em algum momento. Pode se tornar maior, se aprofundar, e permanecer no indivíduo por toda uma vida ou se transformar de modelo afetivo (amor x ódio, por exemplo) de acordo com experiências posteriores. Fazemos grande confusão com a nominação das emoções e sentimentos. Como já dissemos, trata-se de um problema semântico: faltam palavras para expressar tudo que sentimos. A grande maioria das pessoas acredita que emoção e sentimento é a mesma coisa: não é! Emoção se manifesta rapidamente e pode passar. Já o sentimento, que pode vir depois de uma emoção (ou não), é internalizado, racionalizado, dura muito mais tempo. Alguns podem, inclusive, se transformar em doença como uma tristeza depressiva, o nome é o mesmo para a emoção e o sentimento, mas, este último é extremamente duradouro.

O que vem a ser “Estado de Espírito”? A maioria dos cientistas acredita que os “Estados de Espírito” normalmente ocorrem por razões que a pessoa que os vivencia não compreende. Provavelmente gerados por alterações neuro-hormonais não diretamente relacionadas a um evento no ambiente, pode estar ligado (ainda é um real mistério) ao conteúdo onírico experienciado durante o sono e às vezes nem lembrado pelo sujeito. Explicando melhor: nos sonhos alguma emoção ocorreu por conta do conteúdo onírico, esta emoção disparou a produção de uma química interna que irá permanecer no modo vigil. Assim o sujeito desperta em um estado de espírito não vivenciado de uma forma real, porém instalado em seu sistema emocional. Quando estamos com o Estado de Espírito apreensivo, por exemplo, ficamos com medo. Com o Estado de Espírito irritado é fácil ficar enfurecido e isto pode durar o dia inteiro. Uma forma de sair de um Estado de Espírito é dormir por um breve período. Também se acredita que este estado pode ser mantido por retro alimentação. Uma pessoa que se julga triste pode elencar, na mente, várias situações onde esteve triste e, a lembrança destes fatos, pode ampliar o estado. Ou seja, o estado inicial, sem objeto específico aciona a memória e, por sua vez, a memória de fatos traumáticos, acaba influenciando a ampliação do estado inicial: retro alimentação!

               Sendo mais simples: Raiva é emoção, já o ódio é sentimento! Passar o dia de mau humor é estado de espírito.

               Pode parecer confuso a principio e, realmente é por um simples motivo: nós não somos muito bons em reconhecer as próprias emoções! Na maioria das vezes percebemos as alterações internas e, por estarmos desacostumados a expor as emoções (a sociedade não gosta muito de quem é passional) não nos damos conta que se trata de uma emoção e tratamos como se fosse algum sintoma (doença) se manifestando naquele momento.

               Saber administrar as próprias emoções passa pelo principio que é possível identificá-las assim que começam a surgir em nosso corpo. Todavia é mais fácil para um observador externo perceber (pelo código facial) do que para o próprio sujeito que as manifesta.