PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

quinta-feira, 25 de abril de 2013

ZONA NEUTRA


Por Prof. Msc. João Oliveira

               Uma situação de conforto e estabilidade pode dar um estranho rumo às vidas de algumas pessoas: a entrada na etapa da “Zona Neutra”. Também chamada de zona de conforto, este estado mantém o indivíduo sem movimentações, pois, ele acredita estar no melhor que pode usufruir. 

               Limitante, este momento da existência pode se manter até os fins dos dias e, o cotidiano, seja ele qual for, parece inalterado e seguro: não há riscos, não existem alterações e, consequentemente, não ocorre nenhum crescimento do sujeito em questão.

               Um cidadão que mora embaixo de uma ponte não sairá de lá com facilidade. Ele tem argumentos convincentes que, residir sob o concreto, é uma boa opção, até por que ele não paga água, luz ou aluguel. Podemos afirmar que durante o período das chuvas sua casa será inundada e, com certeza, ele irá nos dizer que isto ocorre apenas uma vez por ano e que, portanto, vale a pena ter moradia de graça por onze meses. 

               A mente consegue elencar defesas de todas as formas para confirmar a opção pela Zona Neutra. Não há necessidade de mudanças, está tudo ótimo como sempre foi e será.

               Podemos perceber este movimento nas camadas sociais mais desprovidas de recursos financeiros e que se abastecem dos programas sociais existentes (são muitos). Uma estabilidade de subsistência é o bastante para uma vida simples – e segura – sem  o medo de perder algo que ainda não possuem. A própria esperança passa ser algo similar a ficção: simplesmente não existe, pertence a outra pessoa.

               A Zona Neutra é um reflexo contido da baixa autoestima. O sujeito não acredita ser merecedor de algo melhor e cria uma condição que o priva de todas as chances de crescimento possíveis. Tal força se instala que uma visualização criativa futura não vai além do fim de semana.

               Pergunte, a uma pessoa estacionada na Zona Neutra, quais são seus planos para o futuro. Ela irá falar do próximo fim de semana, da praia, churrasco, do show ou qualquer outro tema de sua preferência. Não vislumbra um futuro maior que pode ser alcançado em cinco anos, sua preocupação é o almoço, janta, aluguel, namoro...  O, além disto, está escondido em uma nuvem opaca – apenas não existe para ele algo além do hoje e amanhã.

               Como sair desta condição? Primeiro descobrir se você está ou não preso neste lapso perceptivo – "sou assim?" – depois buscar os futuros possíveis à sua realidade. Também não posso desejar ser atleta olímpico aos 51 anos de idade sem nunca ter treinado nada a vida inteira – esta oportunidade está perdida! Mas, tirando as potencialidades físicas fora deste contexto, quase todo o resto é possível. Se, em minhas contas, posso ter à frente mais 10 anos de vida, pelo menos, posso mudar (totalmente) e desfrutar de um futuro melhor.

               Este mudar não precisa estar somente associado ao ato de fazer um curso ou uma faculdade, aprender uma nova profissão. Pode, também, ser justamente o contrário, abrir mão de um perfil funcional por uma vida mais simples. Claro, não é obrigatório mudar! Pensar nisto, na possibilidade de viver mais e melhor, já é, em si, uma saída da Zona Neutra. Pense nisso com carinho, todos podemos fazer diferente ou decidir ficar igual.


               Para saber mais em nossos cursos e treinamentos presenciais e on line:
http://www.isec.psc.br/
http://www.preparaonline.com.br/joliveira/parceiros/j-oliveira


Nenhum comentário: