PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

sexta-feira, 29 de março de 2013

João Oliveira No MAIS VOCÊ, com Ana Maria Braga 29/03/2013




Traição, morte, aflição: especialista analisa sonho dos famosos João Oliveira deixa claro que o normal é ter sempre lembranças dos sonho (Matéria do Site do Programa Mais Você)

Os sonhos fazem parte da vida de todos nós. Algumas vezes nem nos lembramos deles, mas sempre acontecem. Por isso, o Mais Você entrevistou o psicólogo João Oliveira, que além de analisar alguns pesadelos de atores, também explicou algumas curiosidades sobre os sonhos.

O psicólogo explicou que quando não existe um sujeito humano no sonho, apenas um fenômeno da natureza, como por exemplo, uma onda que persegue quem está em repouso, isso acontece porque a pessoa está muito ansiosa. E quando existe uma ameaça de uma pessoa, pode ser uma mudança interna.
“É muito comum a pessoa sonhar com morte, é um processo de mudança. É bom!”, ensinou, completando que, quando o sonho é muito bom e vários sonhos como esse se repetem por dias, é sinal de que algo ruim está para acontecer, pois o sonho é uma espécie de sistema de compensação. Os idosos perto da morte, por exemplo, sonham com coisas muito boas.

Ele também deixou claro que o normal é ter sempre lembranças de nossos sonhos, porque eles se comporta como um sistema de equilíbrio: “Quem sonha muito está no equilíbrio. Quem não lembra, tem que voltar a lembrar, porque é sinal de que está desequilibrado”.

oão, que foi responsável pela análise dos sonhos dos participantes do Big Brother 13, também fez uma interpretação da mensagem de um pesadelo da atriz Dani Moreno, que sonhou que o marido a traía: “Trate bem do seu marido, Senão ele pode lhe deixar!”

Em seguida o psicólogo deixou claro: “Os sonhos podem ter muitos significados. Não existe dicionário de sonhos. Tem aspectos dos sonhos que a psicologia não tem controle. Os sonhos podem mudar a vida, o destino de uma pessoa, se ele for interpretado corretamente”.
Ele explicou ainda que alguns pesadelos constantes podem ser apenas uma forma de sanarmos nossos medos. “Pesadelos repetidos servem para que a pessoa se acostume com aquela situação e pare de temer”, finalizou.





LINK PARA MATÉRIA ORIGINAL

sábado, 23 de março de 2013

PSICOTRON - REPROGRAMAÇÃO MENTAL



Para maiores informações envie um e-mail para: isec@isec.psc.br

O PSICOTRON® é um equipamento psicocondicionador e detector do estado psíquico/ emocional, que auxilia no processo da hipnose. É indicado também para relaxamento, no combate à ansiedade, stress, depressão e demais doenças psicossomáticas. Incorpora avançada tecnologia de circuitos impressos, e conta com um projeto ergonômico, industrial, de design e de segurança aos usuários oferecendo um complexo e eficaz sistema integrado de recursos auditivos, visuais e sensitivos para detectar de modo instantâneo o estado emocional da pessoa.

Quando utilizado como elemento de apoio inserido na psicoterapia breve possibilita a inserção de induções mais assertivas graças ao processo de aprofundamento do estado alterado de consciência. Neste estado é possível ao profissional inserir induções que serão melhor assimiladas permitindo uma reestruturação dos processos semânticos que podem auxiliar na elevação da autoestima, recuperação do equilibrio endócrino ou ressignificação de conceitos internalizados do cliente/paciente.

O PSICOTRON® RM é um equipamento de BIOFEEDBACK, que mede o retorno biológico do cliente/paciente através da resistência galvânica, possibilitando assim ao terapeuta monitorar o estado de relaxamento e/ou excitação do msmo, bem como da aceitação ou negação do senso-crítico, frente a uma sugestão. 

O PSICOTRON® é uma ferramenta que tem como objetivo auxiliar no processo terapêutico, permitindo viabilizar o diagnóstico do paciente em Estado de Consciência Alterada (ECA), e possibilitando, neste nível, a formulação de sugestões e um diagnóstico mais preciso, bem como um aconselhamento mais assertivo.

Deseja-se, assim, colocar a disposição dos profissionais um auxílio instrumental inédito, tornando mais eficientes e eficazes as técnicas utilizadas até então, e modernizando o treinamento autógeno com pacientes que necessitam de aconselhamento terapêutico.

O ISEC, INSTITUTO DE PSICOLOGIA CRESCER, com sede em Copacabana, Rio de Janeiro-RJ, possui quatro aparelhos PSICOTRON®  e os psicólogos Prof. Msc. João Oliveira e Prof. Msc. Beatriz Acampora, ambos pós-graduados e mestrado em Cognição e Linguagem, juntamente com sua equipe, atuam diariamente se utilizando desta ajuda instrumental para melhor atender seus pacientes.

Para informações sobre atendimentos, envie um e-mail para: isec@isec.psc.br

MINI CURSO - O Corpo Tem Razões ... 23/03/2013

Numa promoção da Wak Projetos Culturais, realizamos no dia 23/03/2013 o Mini Curso: O Corpo Tem Razões Que Com a Razão Podemos Compreender - Análise Comportamental Pelas Expressões Faciais e Corporais. Realizado no Colégio Pedro II na Tijuca- Rio de Janeiro-RJ de 09h00 às 13h00

João Oliveira com o Igor da Wak Editora

Palco enorme e um excelente telão

João Oliveira com Pedro da Wak Editora

Durante a apresentação

No final autografando livros

Muita gente bonita presente

Muitos livros foram vendidos

Pessoas simpáticas

Novos amigos

Dúvidas sobre o tema foram esclarecidas

Sempre fica um gostinho de saudade ao final

RH e comunicação




Por. Prof. Msc. João Oliveira

A comunicação é um recurso poderoso na área de RH. Precisamos estar atentos a tudo o que o outro quer nos revelar com sua fala, com seu gestual e com sua linguagem corporal. Uma boa comunicação nos permite avançar em todas as áreas de RH.

No processo seletivo, precisamos ser claros quanto ao que esperar do candidato, quais as competências serão avaliadas e como essa avaliação ocorrerá. A própria equipe que organiza o processo seletivo deve estar bem entrosada, com uma comunicação adequada, para que todas as informações necessárias acerca das características da vaga disponível e do candidato a preenchê-la circulem claramente entre o setor de RH (staff) e a gerência (linha).
Uma boa comunicação também deve ser considerada nas técnicas de seleção: provas de conhecimento (oral e escrita), aplicação de testes psicológicos, simulação - dinâmicas de grupo, entrevista(s). Quando o selecionador é claro e oferece a oportunidade de feedback, a tendência é que o(s) candidato(s) fique(m) mais à vontade e participe(m) ativamente do processo seletivo.

No treinamento e desenvolvimento de pessoal, na avaliação de desempenho e em todos os aspectos que envolvem a área de RH, a comunicação deve ser valorizada. Isso porque o modo como as empresas vêm lidando com seus colaboradores incentiva a participação e a interatividade com o processo organizacional como um todo, apreendendo as pessoas como as verdadeiras promotoras do crescimento pessoal e organizacional.

Se antes tínhamos empresas altamente burocráticas, com modelos de gestão verticalizados, hoje temos empresas em que as pessoas participam diretamente do desenvolvimento organizacional e têm participações nos lucros, conforme sua produtividade, a comunicação se dá de forma horizontal e transversal, cruzando os mais diversos setores. As novas tecnologias permitiram um grande desenvolvimento da comunicação integrada nas empresas, que não devem utilizar a informação meramente como um recurso para tocar os colaboradores. É preciso uma comunicação efetiva.

Mas, então, qual a diferença entre comunicação e informação? Informação diz respeito aos atos de transmitir uma notícia, de dar instruções, oferecer um ensinamento, uma opinião sobre o procedimento de alguém, um parecer técnico. A comunicação, por sua vez, implica em relação. Nela também está contida a informação, inserida na mensagem que o receptor quer transmitir, contudo, há uma amplitude maior. A comunicação é o processo pelo qual ideias são transmitidas entre pessoas, tornando possível a interação social. Uma campanha de exame médico periódico na organização é um tipo de divulgação, que leva uma determinada informação. Já a construção de um saber, de um novo produto, de avaliações necessárias à organização, depende da participação de todas as partes envolvidas no processo, de feedback.

Nesse aspecto, podemos inserir o tema da comunicação assertiva nas organizações e sua importância para toda a organização e, principalmente, para a área de RH, que deve estar atenta aos modos como as pessoas das mais diversas áreas se comunicam, em prol dos objetivos pessoais e organizacionais, que devem estar afinados.
A comunicação assertiva é o tipo de interação humana que valoriza a troca, o intercâmbio e o feedback entre as pessoas. Ela deve ser afirmativa, positiva, incitar reflexão e ação. A palavra assertiva implica em veracidade, em proposições afirmativas. A assertividade é a arte de utilizar as palavras como promotoras de construção. Ser assertivo é se comunicar de maneira franca, sem provocar constrangimento. É o exercício do feedback constante em que emissor e destinatário são próximos, pois há uma troca constante de papéis.

O grande ponto a ser ressaltado na comunicação assertiva é o modo como a informação é concebida e gerada. Se ela não pode ser transformada, tocada por todos e valorizar a compreensão, contribuição e proatividade, então, ela cumpriu um simples papel: saiu de um ponto e chegou a outro, o que, em alguns casos, é necessário dentro de uma organização. Mas é preciso ressaltar que quem constrói uma determinada informação são as pessoas que estão em determinado processo na organização.

A comunicação assertiva também engloba a atenção, um olhar cuidadoso para as relações construídas e, dessa forma, se pode, verdadeiramente, tocar a todos, evitando os processos de exclusão na organização. Quando duas pessoas saem de casa para trabalhar e apenas recebem informações, sem interação e comunicação com feedback, cada uma delas volta para casa com uma ou algumas informações, mas, quando duas pessoas trocam ideias no ambiente de trabalho, discutem um determinado assunto, refletem, elas voltam para casa com uma troca espetacular que promove saber e crescimento, que tem um impacto direto nas organizações.


Texto Publicado na Revista PSIQUE  Número 86


Para saber mais em nossos cursos e treinamentos presenciais e on line:

terça-feira, 19 de março de 2013

WORKSHOP na FNAC do Barra Shopping 18/03/2013

Excelente momento na FNAC do Barra Shopping

O espaço para eventos é muito bom

Eu e Beatriz Acampora

Bom público e bem interessado no tema

Quase duas horas de evento

Presença de grandes amigos Dr. Angelo Tasso e Prof. Juan Fontivero

segunda-feira, 18 de março de 2013

Hoje, às 19h00 na Livraria FNAC do Barra Shopping

Hoje, dia 18 de março, às 19h00 estaremos na FNAC do Barra Shopping com um WORKSHOP aberto sobre Análise Comportamental:

domingo, 10 de março de 2013

O Elefante e o Coelho




O mágico colocou a cartola sobre a mesa, com a boca virada para cima, e gritou: – “Alakazan!”. Um silêncio imperou no auditório, a expectativa era grande, pois o anunciado é que, desta minúscula cartola, sairiam um enorme elefante e um pequeno coelho. Mas, nada ocorreu. O mágico, desolado, pediu desculpas e, sob vaias, deixou o palco.

No camarim, cabisbaixo, ouve uma voz que vem do fundo da cartola:

– “Ei, psit, senhor mágico, está me ouvindo?”

O mágico responde:

- “Quem está falando?” 

- “Calma! – diz a voz – Sou eu, o elefante... tudo bem?”

- “Claro que não! – responde o mágico – Vocês me fizeram passar o maior fiasco, o que houve que não saíram da cartola?”

- “Bom, – fala o elefante – o coelho anda meio deprimido, e, sabe como é, eu não ia sair sozinho da cartola, o show não seria completo!

- “O que aconteceu com o coelho? – pergunta o mágico nervoso – Ele está vivo?”

- “É, até está, – diz o elefante – mas muito mal, ele anda meio deprimido, você poderia nos ajudar se comprasse uma televisão 42 polegadas de leds e um desses vídeo games possantes, acho que o coelho iria se animar.”

O mágico comprou a maior TV de leds que encontrou e um vídeo game XBOX 360, com muitos jogos divertidos. Enfiou tudo na cartola.

A noite estava quente, mais de 200 pessoas na plateia, o show estava apenas começando. Todos esperavam a saída triunfal do elefante e do coelho da cartola. O mágico grita a palavra que já conhecemos e, mais uma vez, nada acontece. Grita nervoso novamente: - “Alakazan!”. Desta vez o público não tem paciência, tudo que podia ser atirado ao palco atingiu o mágico: tomates, ovos, pedras e até cadeiras.

No camarim ele se revolta:

- “Por que vocês não saíram da cartola?”

- “Sabe o que acontece, – diz o elefante – o coelho não encontra espaço vital depois que a televisão chegou, ela é muito grande e a cartola pequena. Acho que o senhor deveria comprar uma cartola maior”.

O mágico comprou a cartola maior, transferiu todos os pertences de uma para outra. Agora, tudo parecia certo. O novo show estava pronto. Multidão se acotovelava na porta do teatro. Mais de mil pessoas pagaram ingressos. O espetáculo vai começar.

O grito do mágico assusta as crianças: - “ ALAKAZAAAAAAAN!”. Ecoa o silêncio no ambiente – “ALAKAZAAAAAN !” Repete em desespero. E, mais uma vez, nada ocorre. O mágico já estava abaixando a cabeça e se escondendo atrás da capa quando surge a tromba do elefante saindo, timidamente da cartola. Como um periscópio ela se move apontando na direção da plateia para, subitamente, em um movimento rápido recuar, como quem toma um susto, vira em 180 º e sua ponta foca no mágico:

- “Casa cheia hoje hein?” – fala em tom macio.

- “Temos mais de mil pessoas hoje no teatro, por favor, saiam da cartola!”

- “Pois é – diz o elefante – Seria um mau momento para conversamos sobre participação nos lucros?”

Moral da história: “Dê a mão, e eles lhe arrancarão os braços”!

O que podemos tirar deste pensamento é que o contrato, termos contratuais, devem ser explícitos e confirmados pelas partes. Mesmo quando começamos uma relação profissional com pessoas com quem mantemos laços espetaculares devemos pensar em colocar, no papel, o que pretendemos no futuro sobre a produção que estar por vir.

No início tudo pode ser maravilhoso e a situação pode influenciar numa relação participativa harmoniosa. No entanto, o tempo e o resultado do trabalho podem alterar a percepção inicial. Por isso, o papel (contrato) pode nortear as querências futuras.

Os problemas que surgem durante o desenrolar de uma parceria são mais comuns do que imaginamos e, muitas vezes, o sucesso de uma empresa pode ser prejudicado por má distribuição de deveres e obrigações no início do processo. A questão da retirada de lucros nem é o ponto mais importante nos atritos, mas o que se faz para que o resultado ocorra. 

A parte intelectual do processo, o investimento, a força produtiva e, caso exista, distribuição e venda quase sempre disputam a relevância pelo sucesso. Para que isto não se torne um problema futuro deve-se montar um claro texto onde, todos envolvidos saibam exatamente o que lhes é devido.

Pode-se, ainda, colocar um item valioso neste texto, o distrato. Onde já devem ficar acordado, pelas partes, motivos para a extinção do vínculo originado do contrato, a condição gatilho para que o processo tenha uma interrupção, caso algo saia errado. Assim não haverá maior desgaste.

Bom para o coelho que, em nenhum momento, se manifestou para solicitar melhorias em sua relação e que, pelo visto, sempre teve vantagens dentro desta montagem. Pior para quem se achava mágico capaz de controlar, apenas pela palavra, toda situação.

A verdade é que, de elefante, todos nós temos um pouco: sempre querendo mais do universo.

Ainda bem!


  

Este texto foi publicado na Revista Psique número 85 no espaço de RH.


Para saber mais em nossos cursos e treinamentos presenciais e on line:
http://www.isec.psc.br/
http://www.preparaonline.com.br/joliveira/parceiros/j-oliveira

João Oliveira no Programa Rio Melhor Idade - CNT - Com Cristiane Brasil



No ar no dia 10/03/2013 às 09h30 - Tema: Ativando Seu Cérebro Para Provas e Concurso - Livro Editado pela WAK.

O livro também tem como foco o combate ao envelhecimento do cérebro e propõem mais de 100 exercícios e técnicas para atenuar os efeitos da idade. 


 

Para conhecer o curso on line, clique aqui!

Para nossos livros, clique aqui! 

terça-feira, 5 de março de 2013

ATIVIDADE DESLOCADA

 

         
         Por Prof. Msc. João Oliveira

        

         Segundo o biólogo inglês Desmond Morris em seu livro de 1967, “O Macaco Nu”, podemos observar um perfil comportamental nos animais que pode ajudar a explicar algumas situações no ambiente humano. Trata-se da Atividade Deslocada: atitudes estranhas e sem nenhum propósito prático que ocorrem em momentos de grande estresse ou pressão. Funciona como uma válvula de escape para a energia que está sendo reprimida e o animal adota comportamentos que não tem nenhuma ligação com o que de fato está ocorrendo a sua volta.

            Às vezes, quando prestes a entrar em um combate, diante de um oponente mais forte, o animal pode intercalar os gestos de ameaça com movimentos alimentares, como se estivesse comendo algo invisível, ou ainda se coçar ou limpar os pelos. Algumas espécies chegam a montar abrigos imaginários no ar ou caem no sono repentinamente para logo a seguir voltar à posição de defesa ou ataque. Estes movimentos deslocados, que não possuem nenhuma função de ordem real, são atitudes do animal que se julga vencido no embate. Na verdade o máximo que podemos observar é a total paralisação de todo e qualquer movimento, colocando o animal ameaçado, em uma total inércia diante de seu opositor. Diante deste quadro, geralmente o rival cessa sua agressão e se dá como vencedor da disputa.

            Como isso ocorre em humanos?

            Podemos perceber que, quando em estado de ansiedade, desconforto, medo ou insegurança, o sujeito pode exibir o mesmo modelo de atividades deslocadas. São movimentos comportamentais sem nenhuma praticidade como: olhar o relógio repetidas vezes, se coçar, balançar os pés, mexer nas pulseiras e, hoje com a modernidade, explorar funções no celular. Além se servir como elemento de saída para a energia acumulada também funciona como estado dissociativo, retirando o sujeito, mentalmente, da área de confronto onde está colocado.

            O grande problema começa quando o último estágio, ou o mais poderoso deles, se torna real na vida de uma pessoa: a inatividade completa. Um recurso extremo para solucionar a evitação ao confronto. Óbvio que não estamos nos referindo a um combate físico e sim a luta diária pela sobrevivência. Aliás fizemos bem essa adaptação para nossos dias, tanto que falamos: -“Vou a luta!” , quando queremos dizer que estamos indo trabalhar. Essa substituição muito tem a ver com as antigas disputas por territórios entre nossos antepassados mais distantes. Então, diante de situações onde nosso sistema de defesa se encontra esgotado, o metabolismo pode se valer de uma “saída”  emergencial para retirar o corpo do elemento estressante: o sintoma/doença.

            O mecanismo parece ser o mesmo que ocorre nos primatas menos evoluídos, mas é interessante observar que, para cada tipo de confronto (trabalho) existe um perfil diferente de sintoma, que podemos considerar como uma atividade deslocada de último nível. O exemplo é que, quem trabalha com a voz, poderá desenvolver algum sintoma que o impeça de falar ou cantar. No entanto esse sintoma dificilmente irá ocorrer em um lutador de boxe, pois ele não depende da voz para atuar em seu ramo profissional. Neste caso a maior incidência é de doenças de pele. Cabe-nos observar com maior atenção o surgimento destas “Atividades Deslocadas” logo no inicio, antes de tornarem sintomas e, vale lembrar, que a doença psicossomática não é menor em sofrimento para o sujeito. Penso que, no futuro poderemos prevenir o surgimento de doenças que possam limitar o sujeito em seu esforço produtivo, se conseguirmos identificar, com acuidade, o comportamento deslocado persistente.

            Sintomas comuns como alergias, disfunções fisiológicas, cefaleias ou até mesmo TOCs, podem ser resultado de uma “Atividade Deslocada” não percebida em seus momentos iniciais que, por ser desconhecida do sujeito, foi migrando e ampliando até um ponto culminante de colocá-lo na inércia de fuga através do sintoma manifesto.

            Isto não significa que toda “Atividade Deslocada” deve gerar um sintoma futuro mas, a observação da quantidade de ocorrências, como as descritas aqui, pode nos indicar que algo precisa mudar para evitarmos danos posteriores. Lembrando sempre das palavras de  John Milton:  "A mente não deve ser modificada pelo tempo e pelo lugar. A mente é o seu próprio lugar e, dentro de si, pode fazer um inferno do céu e do céu um inferno." 

            Quem escolhe sou eu, e você mesmo!


       
           
Para saber mais em nossos cursos e treinamentos presenciais e on line:
http://www.isec.psc.br/
http://www.preparaonline.com.br/joliveira/parceiros/j-oliveira