PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

MEDO REAÇÃO DEFESA




Por. Prof. Msc. João Oliveira

                Muitos problemas de relacionamento podem ser explicados se estivermos diante de uma pessoa que teve uma história de rejeição em sua vida. Ocorre que o sistema de defesa da estrutura psíquica do sujeito acaba por criar regras de conduta que o impedem de se entregar realmente a um compromisso para evitar uma nova perda. Ou seja, com medo de perder nem chega realmente a possuir algo. Quando se percebe gostando de alguém, ele rapidamente dá um jeito de sabotar a relação, neste caso o sofrimento é controlado e fica menor do que se tivesse totalmente envolvido com a outra pessoa.

                Lendo isto em um parágrafo apenas nos dá a impressão de que se trata de um problema muito simples e fácil de ser resolvido: não é!

                Para começar existem outras vertentes: emprego, família, bens materiais, amigos e toda e qualquer coisa que possa lhe trazer alguma satisfação ou apego. O sistema de defesa impede que o prazer seja prolongado sempre baseado na mesma premissa de que é melhor não ter nada do que sofrer depois por querer demais. Um comportamento aprendido e que pode ser ressignificado (acostume-se com essa palavra, pois ela sempre tem lugar comum em nossos textos).

                A história pode começar com uma morte de alguém muito querido como a avó, por exemplo, quando o indivíduo ainda estava na infância ou saindo deste período de descobrimento de mundo. Neste perfil é uma reação à perda real: alguém que amava o deixou. Outro modo é quando o sujeito possui um pai/professor/amigo muito duro que cobra e pressiona o tempo todo e nunca fica satisfeito com nada que é feito/produzido pela pessoa em questão (pode haver punição envolvida neste processo), pode ser que o sujeito tenha uma reação posterior em sua vida de não permitir que isso torne a ocorrer, ou seja, dele depositar confiança ou autoridade a outra pessoa que passa a vir tripudiar dele no futuro. Desta forma ele não consegue construir vínculos mais duradouros com ninguém que possa representar uma linha de afeto mais forte. Em alguns casos ocorre justamente o contrário: o sujeito projeta nas figuras de autoridade a figura que deseja agradar para obter afeto.

                Não há uma regra de como a estrutura de reação de defesa se forma. O que hoje pode parecer uma coisa simples, como uma família que se muda de bairro e, a criança, perde seus primeiros amigos de colégio, pode gerar o mesmo complexo processo no futuro. Cada caso é um caso e, se você estiver dentro deste padrão, provavelmente possui uma história completamente diferente dos exemplos aqui citados.

                Podemos mudar?

                Primeiro ser capaz de se descobrir dentro deste programa comportamental. O fato de reconhecer em si um movimento repetitivo de rompimentos prematuros com elementos que poderiam lhe dar afeto/satisfação/prazer já é um excelente começo para a mudança, se você assim desejar. Afinal a pessoa pode argumentar que é mais feliz assim, pois não sofrerá jamais a perda de algo ou alguém. Neste caso o assunto está finalizado e a vida segue.

                No entanto, se estivermos diante de uma pessoa que gostaria de experimentar o risco de se entregar em uma relação de troca com alguém, ou que deseja possuir em sua vida elementos duradouros capazes de oferecer prazer ou satisfação, aí teremos o início do processo da mudança. Então são dois passos iniciais: 

1)      Reconhecer em si um padrão de comportamento que lhe causa algum prejuízo.

2)      Querer mudar trocando o padrão antigo por outro mais atualizado.

                Como fazer para mudar?

                Lógico que o caminho mais fácil é procurar um profissional psicólogo que possa lhe oferecer instrumentos e recursos para facilitar este processo. Na impossibilidade disto, podemos reescrever a própria história tentando localizar os pontos de fraturas cognitivas e elaborar o luto não vivido por estes fatos tentando alterar seu significado interno.

                Um passo de cada vez! O processo levou anos para se instalar e não vai desaparecer antes do almoço, portanto tenha calma e faça uma leitura de sua trajetória de vida tentando descobrir se realmente existe(m) fatos que pode(m) ter criado um sistema de defesa. O medo de perder e como consequência o abandono das melhores coisas da vida, pode privar uma existência inteira da melhor coisa de todas: o verdadeiro amor!

Para saber mais em nossos cursos e treinamentos presenciais e on line:
http://www.isec.psc.br/
http://www.preparaonline.com.br/joliveira/parceiros/j-oliveira

Nenhum comentário: