PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

segunda-feira, 30 de abril de 2012

João Oliveira no Portal Tempo de Mulher em 30/04/2012


Tempo de MulherTempo de MulherKapo - Vales Mágicos
http://estilo.br.msn.com/tempodemulher
Tempo de Mulher | Por Vanessa Andrade

O significado dos sonhosO significado dos sonhos - 1 (© Divulgação)

terça-feira, 24 de abril de 2012

A Raiva: a melhor emoção.




A Raiva: a melhor emoção.

                Muito tem se dito sobre as emoções ao longo das eras e, com certeza, algumas tem sido nominadas como melhores outras como piores. Na verdade todas são úteis e por isso foram mantidas pelo processo evolucionário. Lógico que algumas perderam sua função original e se adaptaram a nova realidade da civilização moderna.

                A estrutura do homem, basicamente, está preparada para caçar – para sobreviver – e fazer sexo – para manter a espécie – o resto foi se acumulando ao longo dos milhares dos anos e é o que somos criaturas com respostas emocionais onde, às vezes, elas não seriam necessárias ou em dimensões desproporcionais. Caso você duvide disto, pergunte a quem tem síndrome do pânico ou algum tido de fobia.

                 Sempre buscamos diferenciar as emoções, uma das outras, e tentamos associar  as sensações orgânicas de acordo com a situação onde estamos envolvidos. Além das diversas  interpretações que cada um de nós pode dar as diferentes situações, ainda existe a intensidade da emoção, as vezes forte demais outras nem são percebidas adequadamente.

                Os mitos surgem e, uma frase que sempre ouvimos é: “- Só o amor constrói!”

                Na realidade outra emoção pode nos levar a construir bem mais rapidamente, trabalhamos aqui as seis consideradas bases universais. Não estamos falando de expressões faciais, percebidas externamente pelo outro, estamos focados nas sensações percebidas e identificadas pelo próprio sujeito que as manifesta.

Alegria: pode vir de um estado de satisfação, evoluir para o riso e, se for muito intenso pode se transformar em euforia. Neste estado o sujeito para  sua movimentação, deixa de agir, para aproveitar o momento. Na alegria se estabiliza.

Tristeza:  Pode vir de um desânimo , estado melancólico, letárgico e, se você não fizer algo para mudar isso, pode se transformar numa aflição e mais tarde evoluir para uma profunda depressão. Neste estado emocional existe um rebaixamento, o sujeito vai cessando sua movimentação.

Espanto: Um foco de atenção, uma súbita admiração e, se muito intenso, pode virar um estado de choque. Isto paralisa o sujeito até que ele possa obter maiores informações do ambiente e migrar para uma nova ação que pode ser a fuga ou ataque.

Medo: O medo e pode passar de uma emoção que evita o perigo para o horror, o pavor total paralisante. Caso o nível de informação sobre o perigo o mude pode evoluir para a raiva e, desta junção, surge uma reação a brutal do animal acuado.

Nojo: Pode ser alavancado pela aversão, se transformar em nojo e pode surgir, com a ampliação do estímulo ou interpretação mais forte, a repugnância. Neste estado o sujeito recua, tende a se afastar do objeto retirando os sentidos do ambiente.

Raiva: Pode se iniciar num estado normal onde existe certa indignação por algo, aumenta para a raiva propriamente dita e, se continuar evoluindo pode chegar à fúria. A raiva sempre desloca recursos para a movimentação do sujeito. Se for direcionada corretamente serve como estímulo, combustível, para se efetuar mudanças no entorno. A raiva dá energia para realizar algo.

Então podemos simplificar as emoções quanto as ações:

Paralisantes – medo, tristeza, espanto e nojo.
Recuo – tristeza, nojo e medo.
Conjugação perigosa – medo e raiva
Motivadora – raiva

                A raiva só não serve como alavanca quando é internalizada. Algumas pessoas, por motivos diversos, direcionam a raiva para si mesmo e a somatização é inevitável. Doenças diversas podem se manifestar no sujeito algumas chegando a incapacitar o sujeito de qualquer ação.

                Claro que é difícil identificar corretamente a emoção na qual estamos imersos, quando ela se instala e se transforma em sentimento transformando por completo o nosso estado de espírito, o melhor é buscar ajuda antes que o corpo pague por algo que é, em verdade absoluta, pura interpretação.

                Mude a interpretação dos fatos e você mudará a realidade emocional em seu corpo.

Prof. Msc. João Oliveira
Psicólogo CRP 05/32031
Diretor de Cursos do ISEC


Referências Bibliográficas

BANDLER, R., GRINDER, J. Sapos em príncipes: Programação neurolingüística. 8 ed. São Paulo: Summus, 1982.
-------. Atravessando. São Paulo: Summus, 1984.
------- . Ressignificando. São Paulo: Summus, 1986.
BANDLER, Richard. Usando sua mente, as coisas que você não sabe que não sabe. São Paulo: Summus, 1985.
CHOMSKY, Noam. Linguagem e mente. Brasília: Universidade de Brasília, 1998.
DARWIN. Charles. A expressão das emoções no homem e nos animais. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
EKMAN, Paul. Emotions revealed. New York: Holt Paperbacks, 2007.
MUSSALIN, F. & BENTES. Introdução à lingüística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, 2001.
Pinker, Steven. Do que é feito o pensamento. São Paulo: Cia das Letras, 2008.
Pinker, Steven. Como a mente funciona. São Paulo: Cia das Letras, 1998
PINKER, Steven. O instinto da linguagem: como a mente cria a linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
ROBBINS, Anthony. Poder sem limites. 8ª ed. São Paulo: Best  Seller, 2007.

terça-feira, 17 de abril de 2012

Como passar em concursos



Por João Oliveira - Psicólogo

    Todos nós sabemos que estudar sob pressão acaba por causar um dano na retenção de conteúdo. Estuda-se muito, ou pelo menos se investe muito tempo, e pouca coisa fica realmente guardado da cabeça. Iludem-se os que pensam que tomando café e estudando a noite toda vão obter um resultado melhor, podem até reter algum conhecimento, mas em nível muito abaixo do esperado pelo esforço empreendido.

    Para tudo, nesta vida, existem técnicas que nos dão aproveitamento máximo de nossa condição física e mental. Algumas são realmente fantásticas e nos poupam de muito sacrifício oferecendo em troca um resultado altamente compensador.

    Este texto nasce depois que ouvi uma paciente reclamando, pois havia estudando para um concurso público, que corria o risco de ser cancelado e mudar de data, estávamos falando do concurso público da prefeitura de Campos dos Goytacazes que, no final das contas, não ocorreu como deveria. Sua fala foi a seguinte:

    “- Se mudar o dia da prova estou perdida! Estudei para este domingo.”

    A condicionante aqui: “Este domingo!” deixa claro que a mente humana tem regras próprias, ou seja, se o concurso fosse na segunda feira, um dia depois do marcado em sua mente, seu resultado seria prejudicado já que ela estava, absolutamente condicionada, para fazer a prova no DOMINGO dia 15/04, não em qualquer outro dia, somente neste!

    Claro que o cérebro é uma via de mão dupla, se podemos condicioná-lo para uma determinada crença, podemos fazer outras programações mais lucrativas. Desta forma comecei a coletar informações de recursos que podem ser úteis na batalha da memorização de informações. Diante dos livros de psicologia, hipnose, pnl, neuróbica e neuroplasticidade, comecei a pesquisar novas descobertas sobre memória e ancoragens mnemônicas. Juntando a isso as técnicas comportamentais modernas de condicionamento operante, a novíssima hipnose sensorial e controle das emoções, podemos ter um grande aparato de guerra para transforma, qualquer mortal normal, em um poderoso recipiente de informações.

      Já coletamos cerca de 50 técnicas e, para dar uma ajuda aos desesperados (um curso on line, com todos os recursos, será lançado em maio pelo ISEC) aqui vão as cinco primeiras dicas para ajudar, você, a alcançar a sua vaga em qualquer concurso, ou qualquer prova que necessite de um estudo mais profundo.

    Não vamos, aqui, dar explicações científicas muito longas sobre o funcionamento das técnicas, mas posso garantir que não há magia nem truques, tudo está comprovado.

1)    Sempre pratique uma atividade física antes de começar a estudar – jamais levante e comece a estudar meio sonolento, vai perder tudo que ler. Dê uma caminhada ou corra por quinze minutos – pelo menos – isto vai colocar seu corpo cheio de endorfinas e você terá prazer em estudar.

2)    Não estude mais que duas horas seguidas – O nosso cérebro não tem recursos para a distribuição da memória de longa duração num período maior que este. A não ser que você tenha um hipocampo maior que todos nós. Por isto, estude por duas horas, e tire um cochilo de quinze minutos. Depois repita o ritual de andar ou correr e volte a estudar por mais duas horas. O rendimento é muito superior.

3)    Sente-se de costas para a parede – Sério! Nosso sistema inconsciente de defesa teme eventuais ataques vindos por trás (coisa da época das cavernas) e, por isso, não se desliga enquanto não tiver certeza que não há riscos fora do campo de visão. Para dar paz a este sistema e permitir uma concentração total nos estudos, dê um jeito de se sentar de costas para alguma parede.

4)    Use sempre um mesmo perfume – Uai? Essa é estranha! Trata-se de uma ancoragem sensorial olfativa. Usando o perfume (igual) todos os dias que estudar e, repetir a dose no dia da prova, trará um estado psicológico parecido com os dias de estudo o que pode facilitar o acesso às informações coletadas naquele primeiro estado.

5)     Restrição calórica – o corpo (acredite você) rende mais sob restrição calórica, então coma menos! Não jante durante este período, faça lanches de três em três horas e dê preferências por frutas. Esqueça o café, se tiver sono: durma!

    Estas cinco dicas apenas ilustram um universo fantástico de como podemos aproveitar o máximo de nosso cérebro para guardar informações. Espero que você possa usar, comprovar, e depois mandar um e-mail falando do seu aproveitamento (oliveirapsi@gmail.com ) dentro em breve poderemos disponibilizar mais técnicas para transformar você no dono daquela vaga pretendida.

Prof. Msc. João Oliveira
Psicólogo CRP 05/32031
Diretor de Cursos do ISEC

terça-feira, 3 de abril de 2012

Preparo, competência e oportunidade!


Preparo, competência e oportunidade!


                Sorte existe? Alguma pessoa pode ter tido sorte na vida? 

                Na verdade isso soa relativo do mesmo jeito que a palavra “felicidade”, depende de uma interpretação pessoal e não de um conceito geral. Sorte pode ser algo insignificante para alguns (como achar uma nota de cem reais na rua) ou fabuloso para outros (como encontrar um pedaço de pizza no lixo). Medimos o que seria sorte ou azar pelo nosso prisma de referência.  

                Para que a sorte possa nos achar, precisamos nos ajustar e criar todo um campo de pouso para ela. Lembro sempre de Napoleon Hill:

Eis os passos que conduzem do desejo à realização: Primeiro, o desejo ardente; em seguida, a cristalização desse desejo num propósito definido, e finalmente a ação adequada para conseguir o propósito.(NapoleonHill  em “A Lei do Triunfo” de 1928)

                Esses três passos podem ser adequados à nossa época, sem fugir ao escopo original, mas trocando a ordem da seguinte forma:

1     Preparo  nos dias atuais não existe mais espaço para as pessoas generalistas. Antigamente, ao pedir um emprego, o homem dizia que era capaz de fazer qualquer coisa e isto era muito bom para a empresa. Hoje as coisas mudaram, a interpretação de um empresário para quem diz que faz tudo é por que ele não faz nada direito. É necessário um período de preparo para se atuar em funções específicas. O mundo, hoje, é dos especialistas.

2     Competência – jamais se prepare para algo que não gosta de fazer. A competência está intimamente ligada à paixão que se tem pela função que deseja exercer. Ninguém permanece em um cargo, por muito tempo, só pelo dinheiro. Até é possível, mas será uma vida miserável, sem o prazer de levantar pela manhã e ir para o trabalho. Para ter competência, que isto fique bem claro, é necessário ter amor pelo que faz. Escolha sua profissão baseado em você, não nos resultados. A fortuna alcança qualquer talento.

3     Oportunidade – A chuva não molha quem está dentro de casa. Para obter o resultado pretendido, faz-se primal que o espaço ideal seja procurado. Um amigo meu, morador de uma ilha aqui no Brasil, tinha o desejo de ser ator e/ou editor de vídeo. Essas funções praticamente não existem neste lugar e, embora fosse o paraíso de Fernando de Noronha, ele deixou para trás uma linda paisagem e hoje reside em Natal onde já está próximo ao seu objetivo de vida. A oportunidade só é vista por quem está olhando para ela, perguntando por ela, passeando nas ruas e investigando sua existência.
        
        Estamos, eu e você, em uma sala quando chega um profissional de RH que grita: 

“- Tenho um salário de R$ 20.000,00 por mês – em 2012 seria um bom salário – com cinco anos de contrato com casa, transporte e alimentação para qualquer um que faça tradução do Alemão para Mandarim!”
                 
     Se nós tivemos investido nosso tempo em aprender esses idiomas... Seria uma baita sorte não?