PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

terça-feira, 31 de maio de 2011

Dr. Paulo Arthur no Programa de Olho Na Cidade sobre educação infantil

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Presente no Olhar

Me deve um presente.
Nada que possa comprar.
Desejo seu olhar.
Não desses, um qualquer...
Espero pupilas dilatadas
...
Olhos de quem quer.

Outros vão encontrar,
quando vier. (J.O.)

domingo, 22 de maio de 2011

Lista de palestrantes e temas no I CVPSE

Prof. Dr.  Paulo Arthur Buchvitz
"Pedagogia da Linguagem: ensinar e aprender em psicanálise escolar"
Profa. Dra. Nadir Francisca SantAnna
"Produção de material didático de baixo custo para aulas de anatomia, histologia, embriologia  biologia celular, para utilização em aulas inclusivas"
Prof. João Luiz Beauclair Eleutério
"Do desejo de aprender ao prazer de ensinar: um exercício de autoria de pensamento"
Profa. Dra. Arlete Parrilha Sendra 
“Eros e Psiquê nos labirintos da pós-modernidade”

Profa. Luciane Mina
"Os rumos do treinamento e desenvolvimento na organização e o gerenciamento do stress para aumento da realização global"
Profa. Msc. Beatriz Acampora
“Autoestima e Sucesso”
Profa. Me. Aurora Ferreira Roberto
"A arte do lúdico, brincar também é arte"
Profa. Sonia Branco
“O mito de Eros e Psiquê – a presença dos deuses nos contos de fada”
Profª Dra.  Rosalee Santos Crespo Istoe
"Um estudo sobre as características psicossociais das adolescentes grávidas atendidas no município de Campos dos Goytacazes/RJ"
Profa. Msc. Bianca Acampora
"As dificuldades de aprendizagem à luz da Neuroeducação"
Profa. Maria Lúcia Moreira Gomes
"A educação a distância a serviço da formação de professores na vertente dos transtornos de aprendizagem – uma experiência no Instituto Federal Fluminense”
Prof. Dr. Marcelo de Oliveira Souza
"O uso e desenvolvimento de Novas Tecnologias para o ensino e popularização da Ciência"
Prof. Msc. João Oliveira
“Emagrecimento Pela Palavra”
Profa. Sandra Regina Santos
“A Importância da alquimia e dos rituais para o processo de individuação na psicologia analítica de Jung”
Profa. Celeste Carneiro
“Arte e neurociência – A arteterapia cuidando do ser”
Prof. Gil Gomes
“A utilização da hipnose no auxílio do desenvolvimento da auto-eficácia”
Profa. Ana Maria Leandro
“Avaliação de desempenho – um programa sem medos”
Prof. Dr.  Carlos Henrique Medeiros de Souza
 "A normose informacional e seus reflexos na vida dos internautas"
Prof. Msc. Rodrigo Anido Lira
“O comportamento do consumidor verde: uma análise do consumo de produtos orgânicos”
Prof. Dr.  Luís Antonio Monteiro Campos
"O uso da modalidade de educação á distância no ensino de Psicologia: limites e possibilidades"
Profa. Clystine Abram O. Gomes
“Hipnose uma ferramenta na psicologia das emergências com as vitimas da catástrofe do Rio de Janeiro”
Prof. Edmarcius Carvalho Novaes
"Aspectos legais da comunicação em língua brasileira de sinais como instrumento de atendimento clínico e educacional"
Profª Mcs. Marilene Lima
"TDA/H - possibilidades diagnósticas e de intervenção"
Profa. Anita Rink
"Processos Criativos Contextualizados na Arte-Educação"
Profª Mcs. Sandra Branco
"A literatura infantil no universo da psicosfera: interface possível e positiva"
Profa. Andréia Nogueira A. de Andrade
"Educação para a Economia Familiar"
Profa. Msc. Vivian de Almeida Fraga
“Ética e normas algumas reflexões”

Tudo sobre o I Congresso Virtual de Psicologia, Saúde e Educação do Rio de Janeiro

Site oficial do evento: http://congressovirtual.psc.br

Renato no comando do Auditório físico e virtual 02 na UENF

No sábado de manhã começou a nossa aventura, aqui estão algumas fotos que foram feitas durante o I Congresso Virtual de Psicologia, Saúde e Educação do Rio de Janeiro.

Renato Augusto ficou no Auditório 02, Guilherme Oliveira no 01 e os palestrantes se apresentaram durante todo o sábado nas salas, físicas da UENF e, ao mesmo tempo, estavam no ar nos auditórios virtuais do ISEC.

No domingo (hoje dia 22 de maio) todos os palestrantes participaram pela internet.

Veja todas as fotos que estão postadas nos dias 20, 21 e 22 de Maio de 2011. Este foi o primeiro evento do gênero em nosso país, o Brasil, e ocorreu em Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, na UENF! No programa de mestrado em Cognição e Linguagem do CCH - Centro de Ciências do Homem.

Parabéns a todos os participantes !

João Beauclair, Aurora Ferreira e Sonia Branco na UENF

Profa Aurora, Profa Sonia, eu e o Prof. João Beauclair

Guilherme no Comando do Auditório 01

Fazemos História Todos Os Dias - I CVPSE

Todos os participantes do I Congresso Virtual de Psicologia, Saúde e Educação evento já são autores de tantas histórias...
Nenhum destes palestrantes é uma pessoa comum, do tipo que se contenta com pouco!
Por isto aceitam desafios e não tem medo de arriscar.
Prof. Rodrigo Lira, disse que ficou preocupado do seu filho não entender como alguém poderia estar “sozinho” falando ao computador; Professora Sandra Branco trocou de aparelhagem (em dois minutos) para entrar no ar com perfeição;  Professora Anita Rink mudou de horário, no ato, para colocarmos sua apresentação que sumiu do sistema; Professor Edmarcius, que esforço, fez sua palestra, absolutamente sem voz,  por uma hora inteira e conseguiu transmitir bem sua mensagem!
E mais, muito mais...
Luz, internet, câmera, teclado, som : vencemos tudo !
Provamos que é possível!
Mais um pequeno passo foi dado para a grande distribuição do conhecimento.
Obrigado por terem estado conosco nesta aventura de risco extremo!
Principalmente ao Prof. Dr. Carlos Henrique Medeiros que acreditou no projeto deste do primeiro instante e abriu as portas do programa de mestrado em Cognição e Linguagem do CCH-UENF-RJ
Ao Pedro da WAK Editora, que nos apresentou a tanta gente cheia de energia e saber!
Ao CRP-05 – Nosso Conselho Regional de Psicologia – pela presença na voz da Profa. Msc. Vivian Fraga
Aos novos amigos do peito: Aurora Ferreira, Sonia Branco e João Beauclair – Eles tem uma história de viagem, chuva e UENF para contar!
Aos meus alunos do nono período de psicologia Renato e Guilherme que se colocaram, inteiros, no projeto.
Em nome de todos da Comissão Organizadora e Científica: muito obrigado!
Nosso carinho a todos!

Profa. Anita Rink no auditório 03

Profa. Sandra Branco auditório 01

Profa. Andreia Nogueira auditório 02

Profa. Vivian Fraga auditório 03

Prof. Edmarcius Carvalho auditório 01

Profa. Marilene Lima auditório 02

Profa. Clystine Abram auditório 03

Dr. Luis Antonio auditório 02

Prof. Rodrigo Lira no auditório 01

Dr. Carlos Henrique Auditório 03

Profa. Ana Maria Leandro Auditório 02

Prof Gil Gomes no Auditório 03

Profa. Celeste Carneiro no Auditório 02

Profa. Sandra Regina no ar no Auditório 01

sábado, 21 de maio de 2011

Dra. Nadir Santanna no I CVPSE

Sala Virtual durante a Mesa Redonda

Mesa Redonda 01 - No I CVPSE

João Oliveira no I CVPSE

Dr. Marcelo Oliveira

Dr. Marcelo Oliveira no I CVPSE

Profa. Maria Lucia no I CVPSE

Dra. Rosalee Istoe no I CVPSE

Bianca Acampora no I CVPSE

Aurora Ferreira no I CVPSE

Sonia Branco no I CVPSE

Beatriz Acampora no I CVPSE

Luciane Mina no I CVPSE

Renato Augusto no comando da Sala 02

Prof. João Beauclair falando no I CVPSE

Dr. Paulo Arthur falando no I CVPSE

Professora Arlete Falando no I CVPSE

sábado, 14 de maio de 2011

VIRTUAL OU REAL?

No momento estamos vivendo um verdadeiro dilema entra o virtual e o real. Na verdade não há dificuldade em separar os dois, o problema está no contexto da utilização.
Este virtual, de que falamos, está relacionado a jogos, navegar na internet, chats de conversação, ver fotos ou filmes pelo computador?  Com esses objetivos o virtual perde um pouco de sua credibilidade visto os fakes, informações sem credenciais e a pura perda de tempo sem nenhuma absorção de conhecimento útil.
Então este virtual, não é, pelo menos para mim, real pois não tem um objetivo válido.
Agora, o ambiente virtual onde podemos interagir com um repositório de informações qualificadas e, o conhecimento pode ser permutado independente da distância, é outro assunto.
O virtual começa a entrar em nossas casas já na década de 30 com a era do Rádio. A televisão nos coloca neste ambiente todos os dias. Esse perfil de virtual, então, não nos é totalmente estranho. A sua utilização é que pode ser, ou não, útil para nosso crescimento “real”.
O Congresso Virtual, que ocorre no próximo final de semana na UENF,  é um exemplo disto. O I Congresso Virtual de Psicologia, Saúde e Educação reúne 30 palestrantes com conhecimento certificado num ambiente virtual/presencial. Algumas palestras terão lugar na UENF, e de lá , no dia 21, sábado, serão transmitidas para todo o mundo envelopadas em um auditório que só existe na tela do cumputador. No domingo, dia 22, nenhum palestrante estará em algum lugar e, do mesmo jeito, os ouvintes: mundo virtual!
 
Em casa, ou onde quiser desde que com uma conexão estável de internet, o palestrante será capaz de interagir com os congressistas tendo som e imagem e troca de informações sem custos de passagens, de hospedagem e na segurança de seu lar.  O futuro chegou!
O site do congresso http://congressovirtual.psc.br  , o primeiro no gênero no Brasil, ainda aceita inscrições. Este virtual é real, não ficcional, certificado e útil.
Portanto, nem tudo que é dito virtual é sombra na neblina, pode ser sólido e durável como o conhecimento que, uma vez partilhado, não tem como ser perdido.

Entendendo um pouco da polêmica do Kit Gay nas Escolas

Kit Gay para alunos conterá um DVD com uma história aonde um menino vai ao banheiro e quando entra um colega, se diz apaixonado pelo mesmo e assume sua homossexualidade

Do Correio Braziliense

Ele ainda nem foi lançado oficialmente. Mas um conjunto de material didático destinado a combater a homofobia nas escolas públicas promete longa polêmica. Um convênio firmado entre o Ministério da Educação (MEC), com recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), e a ONG Comunicação em Sexualidade (Ecos) produziu kit de material educativo composto de vídeos, boletins e cartilhas com abordagem do universo de adolescentes homossexuais que será distribuída para 6 mil escolas da rede pública em todo o país do programa Mais Educação.

Parte do que se pretende apresentar nas escolas foi exibida ontem em audiência na Comissão de Legislação Participativa, na Câmara. No vídeo intitulado Encontrando Bianca, um adolescente de aproximadamente 15 anos se apresenta como José Ricardo, nome dado pelo pai, que era fã de futebol. O garoto do filme, no entanto, aparece caracterizado como uma menina, como um exemplo de um travesti jovem. Em seu relato, o garoto conta que gosta de ser chamado de Bianca, pois é nome de sua atriz preferida e reclama que os professores insistem em chamá-lo de José Ricardo na hora da chamada.

O jovem travesti do filme aponta um dilema no momento de escolher o banheiro feminino em vez do masculino e simula flerte com um colega do sexo masculino ao dizer que superou o bullying causado pelo comportamento homofóbico na escola. Na versão feminina da peça audiovisual, o material educativo anti-homofobia mostra duas meninas namorando. O secretário de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do MEC, André Lázaro, afirma que o ministério teve dificuldades para decidir sobre manter ou tirar o beijo gay do filme. “Nós ficamos três meses discutindo um beijo lésbico na boca, até onde entrava a língua. Acabamos cortando o beijo”, afirmou o secretário durante a audiência.

O material produzido ainda não foi replicado pelo MEC. A licitação para produzir kit para as 6 mil escolas pode ocorrer ainda este ano, mas a previsão de as peças serem distribuídas em 2010 foi interrompida pelo calor do debate presidencial. A proposta, considerada inovadora, de levar às escolas públicas um recorte do universo homossexual jovem para iniciar dentro da rede de ensino debate sobre a homofobia esbarrou no discurso conservador dos dois principais candidatos à Presidência.

O secretário do MEC reconheceu a dificuldade de convencer as escolas a discutirem o tema e afirmou que o material é apenas complementar. “A gente já conseguiu impedir a discriminação em material didático, não conseguimos ainda que o material tivesse informações sobre o assunto. Tem um grau de tensão. Seria ilusório dizer que o MEC vai aceitar tudo. Não adianta produzir um material que é avançado para nós e a escola guardar.”

Apesar de a abordagem sobre o adolescente homossexual estar longe de ser consenso, o combate à homofobia é uma bandeira que o ministério e as secretarias estaduais de educação tentam encampar. Pesquisa realizada pelas ONGs Reprolatina e Pathfinder percorreram escolas de 11 capitais brasileiras para identificar o comportamento de alunos, professores e gestores em relação a jovens homossexuais. Escolas de Manaus, de Porto Velho, de Goiânia, de Cuiabá, do Rio, de São Paulo, de Natal, de Curitiba, de Porto Alegre, de Belo Horizonte e de Recife receberam os pesquisadores que fizeram 1.406 entrevistas.

O estudo mostrou quadro de tristeza, depressão, baixo rendimento escolar, evasão e suicídio entre os alunos gays, da 6ª à 9ª séries, vítimas de preconceito. “A pesquisa indica que, em diferente níveis, a homofobia é uma realidade entendida como normal. A menina negra é apontada como a representação mais vulnerável, mas nenhuma menina negra apanha do pai porque é pobre e negra”, compara Carlos Laudari, diretor da Pathfinder do Brasil.