PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

terça-feira, 8 de março de 2011

A Lágrima do Tubarão

Algumas coisas deveriam ser impossíveis de se ver. Deveríamos ter uma reserva de privacidade e, pelo menos, nossos pensamentos e emoções serem privativos, imperceptíveis ao público. No entanto, a ciência avança e, cada vez mais, nos damos conta da nossa transparência. Você pode até questionar que isso é uma invasão, uma afronta, e está certo, pois é mesmo.

Não falo das câmeras que estão em toda esquina, nas lojas, nos shoppings, no metrô... e até nos elevadores. Vamos focar em outras coisas mais naturais, outras possibilidades esquecidas dentro de nós mesmos.

Como psicólogos fomos treinados para perceber emoções e indicar caminhos; atualmente, com novos conhecimentos adquiridos, somos capazes de fazer um pouco mais que isso. Darwin começou essa história com o seu livro sobre emoções dos homens e animais; hoje, Paul Ekman lidera nas pesquisas de reconhecimento de microexpressões faciais. Leciono essa matéria no ISECENSA-RJ, para o sexto período de psicologia, dentro da ementa de Neurolinguística e estamos dotando nossos alunos dessa habilidade impar: ler as emoções nos rápidos movimentos faciais.

Alguns movimentos faciais chegam a 250 milissegundos. Treinamos os alunos na velocidade de mudança de expressões em 50 milissegundos! Algo tão rápido que não se consegue ver, a nível consciente, e é então despertado algo que estava adormecido, uma linguagem subliminar facial.

Se não, vejamos! O corpo humano é perfeito, certo? O criador (DEUS) ou, a evolução, deixou em nós o que tínhamos de melhor. Então, por que a face tem uma musculatura absolutamente diferente do restante do corpo?

Os músculos do corpo humano estão ligando osso a osso, para gerar movimento, ou envolvidos em algum órgão proporcionando expansão e contração. Só na face, primatas em geral, os músculos ligam ossos à pele. Algo muito especializado ocorre aqui para ser obra do acaso.

Isso nos leva a concluir que, primeiramente, a face tinha também como função gerar comunicação entre seus pares. Com o tempo e o surgimento da fala, esta habilidade foi ficando em segundo, terceiro plano e, agora, quase não somos mais capazes de “ler” a face do outro.

Importantíssimo para qualquer um que lide com o outro: psicólogos, médicos, advogados, policiais, políticos, eleitores, mães, esposas... todos!

Sempre estamos envolvidos em diálogos e, invariavelmente, tomamos decisões confiando no conteúdo da fala do outro. E se, a fala, não estiver dizendo toda a verdade, ou todo o conteúdo necessário para que as informações plenas possam fluir? E se, o rosto, com suas microexpressões, falarem mais do que o conteúdo verbal do sujeito na minha frente?

Sim! Para quem sabe ler as expressões faciais e as microexpressões, o sentimento está bem aparente. Pode ajudar? Claro que sim! A comunicação fica melhor, mais clara. Pode atrapalhar? Bom, depende da sua compreensão ao lidar com os outros. Entenda que todos mentem, tentam enganar, mas não é culpa deles, é da natureza humana.

Algumas vezes fomos convidados por empresários e políticos para participar de reuniões, com nossa equipe, para fazer avaliações de seus convidados. Nem sempre o relatório diz para avançar nas decisões. Saber recuar de uma relação e, traçar novas estratégias, é melhor do que se envolver numa demanda posterior, desnecessária.

Há ainda os que acreditam na “mais valia”. Ou seja, sei que ele me engana, no entanto, ele me traz algum beneficio... tudo bem então.

Essa não é a única maneira de se ver o quase invisível para muitos, existem outras formas onde a tecnologia está envolvida de forma assustadora. Como na fala subvocalizada, por exemplo. Mas isso é tema para outro texto.

Sim, lógico, antes que eu me esqueça, tubarão não tem glândulas lacrimais.

Nenhum comentário: