PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

sexta-feira, 11 de março de 2011

Do Antonio...

Do Antonio Claudio, professor, eu e o Renato Boldes, sabemos um monte de histórias boas. Algumas engraçadas, outras, nem tanto.

Por exemplo: Pouco gente sabe mais ele tinha mania de comer, pela manhã, bananas: " - Por causa do potássio!" Dizia ele. Era todo dia uma visita a uma barraquinha perto da Tira Gosto.

_______________

Renato Boldes dirigia o carro de reportagens da Rádio Litoral, um dia, na BR 101, o carro leva uma pancada e fica entre dois veículos, preso. As portas, amassadas, não abriam. Renato consegue sair e, em desespero, fica correndo em volta do carro procurando ajuda para tirar o Antonio.
Ninguém se machucou, mas Antonio não conseguia sair do carro. Vem passando um senhor na rua e Antonio resolve pedir ajuda desse jeito:
"- Meu senhor, por gentileza, o carro bateu e eu estou preso, acontece que esse carro é movido a gás e pode explodir a qualquer momento, o senhor poderia vir me ajudar ...?"
Óbvio que o cara começa a correr com medo do carro explodir. Antonio continua:
"- Senhor, não adianta correr, se explodir vai voar pedaço prá todo lado!"

______________________

Nós tínhamos um patrocinador que era dono de uma fábrica de móveis. No contrato dizia que Antonio deveria falar o patrocinio ao final de cada participação no ar. Isso nunca aconteceu de fato, pois ele esquecia, se perdia na narrativa, enfim. Chamei Renato e pedi que cutucasse o Antonio, sempre no final da participação, para lembrar do patrocinador. Olha só o que ocorreu: Um dia a reportagem estava cobrindo o assassinato de um senhor de 67 anos no meio de um canavial. Ele dizia da tristeza de estar diante de um corpo de um trabalhador, morto, no meio do seu ambiente de trabalho - Renato cutuca - segue Antonio: " - Num oferecimento das Fabrica de Móveis "XX" que não fabrica caixões, mas se fabricasse não teria problemas em doar um para essa pobre vitima da vilolencia urbana. Aproveitando  em nome de "fulano" mandamos os pesames aos familiares". Perdemos o patrocinador no minuto seguinte.

______________________________

E a rebelião? Tumulto total na carceragem, todos com medo dos presos que já tinham colocado fogo, agredido funcionários, a coisa estava feia mesmo. Quem foi o mediador? Quem entrou no meio dos presos para negociar a tregua? Claro, o nosso Antonio Claudio Viana. E, acredite, você, ele conseguiu uma boa negociação e a revolta terminou ali mesmo.

______________________

Antonio foi o que todos gostaríamos de ser - um herói! Bastava ver ele no Ferreira Machado. Quando o carro de reportagens chegava no Ferreira, Antonio demorava uma hora até chegar na recepção. Conversando com os doentes, atendendo pedidos de oração (fazia na hora, sem dúvida!). Esse era o cara!

_____________________________

Tem também o dia em que, não existia celular ainda, Antonio encontra um cara atropelado na Av. 15 de Novembro. Encosta o carro de reportagens e vai, com um radio de comunicação, até a vítima que estava caída no chão.
- " João, o cidadão está morto!"
- " Como assim Antonio? Quem é essa pessoa?" - repliquei do estúdio.
- " Bom, João, o cidadão está no chão, tem uma bicleta amassada ao lado, tem sangue, não se mexe, não respira... está morto!"
- " Mas Antonio, quem é? Qual a identidade dele, são milhares de ciclistas agora de manhã que sairam de casa para trabalhar...
- " Eu sei, mas ele está morto, ninguem aqui o conhece..."
- " Envia a mão no bolso e pega os documentos..." - Disse do estúdio -
- " Em nome da boa informação posso fazer isso, mas é contra os meus principios filosóficos...
Ele tenta enviar a mão no bolso do sujeito que desperta gemendo de dor.
- " Ai ... ai ... "
- " Um momento amigos, o morto não está tão morto assim ..."
Antonio não perde tempo e coloca o radio perto da boca do cidadão estendido no asfalto.
- " Meu senhor estamos no ar na Rádio Litoral no Programa De Olho Na Cidade, o senhor poderia, por gentileza, informar seu nome completo para os nossos milhares de ouvintes?"
- "Ai.... ai..... - O cara não conseguia falar de dor
- "Bom, amigos ouvintes, o cidadão prefere não revelar a sua própria identidade, o que é um direito dele! Não podemos negar. E nós não vamos insistir pois a privacidade é uma garantia, por lei, para todos nós!"

____________________________________________


E o dia, em que ele estava cobrindo um assassinato no IPS, próximo a casa dele. Foi mais ou menos assim:

" - Estamos aqui ao lado do corpo desse jovem que foi cruemente assassinado... oi? Como? ô João, quem passa por aqui agora é o Careca, que está te mandando um abraço. Nosso amigo, o Capitão Careca, mergulhador, boa pessoa... ele é amigo, também, do tio de minha cunhada. Os dois foram outro dia mergulhar em Cabo Frio. Terra boa, gosto muito de Cabo Frio, mas não tenho ido lá muito ultimamente... tem feito muito frio em Cabo Frio... (ri) gostou, pois é de trocadilho em trocadilho a gente junta os grãos de milho. O que me lembra que hoje é sexta e amanhã é sábado...
E por aí foi por mais dez minutos, e o morto? Não soubemos de mais nada...

_________________________________

Acho que assim é melhor, eu estava muito triste, comecei a lembrar dos bons momentos, liguei pro Renato, demos boas risadas lembrando dos dias em que trabalhamos, todos juntos, na extinta Rádio Litoral. Antonio merece ser lembrado assim: Boa praça! Boa gente! Nosso amigo! Nosso anjo da guarda!

Mais tarde eu volto a escrever mais histórias do Antonio -

3 comentários:

jose carlos disse...

ola joão o Antonio Claudio esta fazendo falta em nosso mundo mais tenho certeza de que no mundo onde ele esta agora todos estão mais alegres pois como vc disse ele e o cara

Bruno Paes disse...

"Que a Paz de Cristo Esteja "Com Vc" Antônio... Até já"

Frase Marcante ao Termino de suas reportagens!!

Vai Deixar Saudades

Savio Gomes música&poesia disse...

Bela e justa homenagem, João! O Antônio Cláudio nos deixa o exemplo de que a dignidade, a Ética e o amor ao próximo, são possíveis!