PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

sábado, 29 de janeiro de 2011

A Camisa de Adão



Imagine que o paraíso foi feito para que, tanto Adão, como Eva, andassem pelados sem o menor pudor. Um dia, porém, Adão ganha uma camisa e, mesmo sem se sentir a vontade com aquele pedaço de pano, resolve usar para fazer agrado a sua parceira.

Aquilo é um incomodo. Coisa mais chata e ainda não veio com a calça, é só a camisa mesmo! Ele anda pelo Jardim do Éden e todos os bichos zombam dele. Mesmo muito chateado ele usa a tal peça de roupa, até que, um dia, ele se acostuma e passa a acreditar que aquela camisa nasceu com ele, como se fosse uma segunda pele.

O que, em nossas vidas, já está tão colado em nossa pele que parece que nascemos assim? Algumas pessoas podem, inclusive, nem saber o que dizer no primeiro momento. Tal a profundidade em que está alojado o incomodo. Agora, essa pequena dor, não é mais percebida como algo desnecessário.

Todos têm algo assim. Faz parte da natureza humana essa adaptabilidade, uma condição de se acostumar com o não natural e o que fere a nossa condição de felicidade plena. Isso é tão forte que até arrumamos uma desculpa para o fato: - “Sou assim mesmo.”; - “Mereço isso, afinal fui mau filho.”; -“Não sou bom o bastante para merecer algo melhor.” E por aí vai as inúmeras frases pré-fabricadas que sabemos bem dizer. Sim! Antes que eu me esqueça, tem a melhor de todas: -“Castigo! Deus está me castigando, devo ter feito algo errado!”.

Será que somos mesmo obrigados a usar a camisa de Adão? Quantos de nós conseguimos alterar nosso destino? O futuro é feito pelas nossas mãos. O passado é importante, mas é passado! As dores, que passamos, formam o alicerce deste futuro, precisas delas como parâmetro de mudança e não, como uma presença marcante. Foi ruim. Não é mais necessário continuar a sentir, ecos do passado, como pedras atiradas.

Rasgue essa camisa apertada. Ande desnudo. Assim fomos feitos: perfeitos! A natureza humana é ser feliz, mas, o próprio homem, constrói a sua caverna.

Nenhum comentário: