PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

sábado, 14 de agosto de 2010

Induções de Auto Hipnose pela Internet

É verdade que o tema Hipnose e Induções nem sempre é algo fácil e simpático de abordar, tanto para o público leigo, como para a comunidade científica e de profissionais especializados na saúde e comportamento humano. O assunto foi frequentemente envolvido, desde tempos ancestrais, numa aura associada geralmente ao misticismo, a poderes sobrenaturais questionáveis, ao eventual uso indevido e inconseqüente de forças desconhecidas da mente humana e, não raro, na pior das hipóteses, ao simples sensacionalismo, quando não ao charlatanismo.

A partir de 1998 a hipnose saiu do campo da especulação para o campo científico através de uma experiência coordenada pelo psicólogo e neurologista da Universidade de Harvard, Stephen Kosslyn, que contou com auxílio de psiquiatras, radiologistas e neurologistas da Universidade de Stanford nos EUA. Com o auxílio de um equipamento de última geração na área da tomografia computadorizada (PET - tomografia por emissão de pósitrons) foi possível visualizar com precisão quais regiões cerebrais estavam sendo ativadas no momento em que um grupo experimental encontrava-se em estado hipnótico, sugestionando os mesmos para verem em cores uma tela de computador que era preto e branco e vice-versa. Esta experiência foi um marco definitivo para a validação da hipnose como método científico pela Organização Mundial da Saúde em 1998.

A hipnose passa a ser uma técnica reconhecida pela ciência moderna no tratamento de doenças físicas e psicológicas, ganhando cada vez mais reconhecimento entre os profissionais da Medicina e da Psicologia. No Brasil no dia 20 de agosto de 1999 o Conselho Federal de Medicina emitiu um parecer (nº 42/99) reconhecendo a hipnose como "uma valiosa prática médica", que pode ser utilizada em diagnóstico e tratamento. Em 20 de dezembro de 2000 foi a vez do Conselho Federal de Psicologia reconhecer a hipnose como um recurso terapêutico (resolução 013/00).

A palavra Hipnose, deriva do grego (hypnos - sono). Essa definição vem do médico inglês, Dr. James Braid de Manchester e remonta ao século XIX. Partiu dele a idéia de sono, dado as características que a pessoa apresenta em estado hipnótico, que é semelhante ao estado de sono, como se ela estivesse dormindo. A hipnose é um estágio anterior ao sono. O transe, estado alterado de consciencia, parece sono do ponto de vista físico (atividade diminuída, relaxamento muscular, respiração suave, etc.), mas, do ponto de vista mental, a pessoa está relaxada de forma alerta e consciente (como também comprova o PET).

A hipnose faz parte do nosso dia-a-dia. Segundo Milton Erickson, entramos em transe espontaneamente, por algumas vezes, num mesmo dia. Exemplo, dirigir, andar quilômetros e só depois verificar que havia andado muito sem se dar conta, rezar, meditação, concentração no computador, numa palestra, numa conversa...

A hipnose é então um estado de concentração com um foco específico, que facilita a comunicação interna do sujeito, aumentando as probabilidades da mudança efetiva de hábitos e comportamentos.

Dentro da Psicologia e da Medicina, suas aplicações são incontáveis, mas é importante ressaltar que a hipnose não substitui a psicoterapia nem a medicação, e sim é uma ferramenta valiosa que ajuda a otimizar e encurtar o processo psicoterápico.

Hipnose é um assunto que deve ser tratado com o maior respeito e prudência do ponto de vista ético, científico, técnico, profissional e não incentivamos o seu uso e aplicação por leigos e pessoas não apropriadamente qualificadas para lidarem com esta poderosa ferramenta de terapia. Para o psicólogo aplicar a técnica da hipnose, segundo a própria resolução do Conselho de Psicologia, requer capacitação para a utilização deste recurso, através de cursos e especializados.


As induções que disponibilizamos, são de auto hipnose, e construídas e gravadas pelos psicólogos hipnólogos clínicos João Oliveira e Beatriz Acampora. Nós dois temos larga experiência em consultório com atendimetnos diários no ISEC (Instituto de Psicologia Ser e Crescer) e em salas de aula, pois são professores universitários e ministram cursos de extensão, palestras e seminários sobre Hipnose Clínica.

Os aúdios tem, em média, de 20 a 40 min. e devem ser ouvidos pelo menos uma vez por dia, num momento reservado exclusivamente para isso. Toda indução é na verdade auto-hipnose e portanto, não deve ser feita enquanto você pratica qualquer atividade que vá requerer sua atenção. Em hipotése alguma as induções devem ser ouvidas enquanto você dirige, caminha ou faz qualquer atividade que envolva movimento atenção pois estará pondo em risco sua segurança e de outros. O foco total nas induções, durante a audição, é fundamental para seu pleno funcionamento.


INDUÇÕES PRONTAS:


São gravações onde o psicólogo estará direcionando uma indução específica.
Você poderá optar pela voz masculina ou feminina e se deseja receber a gravação diretamente em seu computador pela internet.

Temas frequentes:

- Emagrecimento

- Melhorar auto-estima

- Ampliar Memória

- Saúde e rejuvenescimento

- Mais energia e vigor sexual

- Diminuir o medo de falar em público

- Relaxamento anti-estresse

- Transtornos alimentares

- Medos e fobias

- Enurese e/ou encoprese

Nenhum comentário: