PÁGINA OFICIAL, FACEBOOK e E-MAIL

http://www.isec.psc.br

https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

E-mail: isecpsicologia@gmail.com

Para receber informações sobre palestras e cursos mande um email para: isec_news-subscribe@yahoogrupos.com.br

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

NUM UNIVERSO ALTERNATIVO

Existia um castelo, num reino distante, onde moravam o príncipe e seu pai, o Rei. Eram felizes e o Príncipe havia sido criado sabendo de tudo sobre o mundo, mas três coisas seu pai fez questão de dizer que não existiam: Princesas, Ilhas e Deus.

Desta forma vivia o príncipe, acreditando em tudo no mundo menos na inexistência dessas coisas: Princesas, Ilhas e Deus.

Um dia, ao passear além da fronteira do seu reino, o príncipe se viu na beira de uma grande aglomeração de água, um mar. Desceu de seu belo cavalo e pode observar que, no meio de tanta água, havia formações rochosas que estavam acima da linha do horizonte e, estranhamente, podia se ver algumas criaturas humanas saltitantes, com vestes semitransparentes que iam de uma lado para o outro nas tais formações acima da água.

Essa visão surpreendente mexeu, de forma intensa, com o príncipe, que percebeu uma mudança no seu estado emocional. Olhando um pouco além na praia ele viu, a poucos mais de cem metros, um homem parado na beira mar. Era um senhor de barbas longas, chapéu pontudo, roupão longo de cor púrpura que chegava até o chão, numa mão uma varinha com uma estrela na ponta, na outra um báculo onde se apoiava. O Príncipe foi se aproximando e percebeu que a roupa desde senhor era recheada de símbolos zodiacais e seu olhar profundo, transpirava sabedoria.

- Me desculpe senhor, mas o que são aquelas coisas lá fora que estão acima do nível da água? –Perguntou o jovem aflito.
- São ilhas meu filho, não vê com seus olhos? – respondeu calmamente o senhor de barbas brancas.
- Alguma coisa deve estar errada, ilhas não existem, meu pai, o Rei, assim me ensinou.
- Sinto por você, meu filho, que alguém lhe ensinasse algo errado. Veja por você mesmo, o que são ilhas, senão um monte de terra cercada de água por todos os lados? Não é isso que vê?
- Sim, é verdade – disse ainda em dúvida o príncipe- E o que são aquelas formas humanas que parecem bailar com roupas transparentes nessa tal ilha, elas me deixaram um tanto nervoso e não sei bem o porque disso.
- Bem meu jovem, são princesas! - afirmou o velho.
- Mas isso é impossível – assustado o príncipe- princesas não existem, bem disse meu pai!
- Deixe de bobagens – sorriu o velho – são princesas, estão seminuas, e isso mexe com você, que já está na idade de se casar!
O príncipe, ágil em seu pensamento, fez uma rápida ligação:
- Ilhas... princesas ... então, então... o senhor deve ser DEUS!- exclamou!
- Sim, sou!

Isso deixou o príncipe bastante animado e, num estado de euforia subiu no cavalo, atravessou a fronteira de volta ao seu reino, passou pela ponte num rápido galope, subiu correndo as escadas e se jogou aos pés do seu pai.
- Pai ! Pai! Não vai acreditar no que me aconteceu hoje! Vi ilhas, conheci princesas e conversei com Deus!
O Rei, de forma calma e compassada lhe respondeu:
- Como isso é possível filho? Essas coisas não existem!
- Claro que existem senhor meu pai! Escute, vi as ilhas tão perto que quase pude tocar com minhas mãos. Conheci várias princesas e senti o cheiro delas, acho até que por uma me apaixonei. Com Deus, ah... meu pai, com Deus conversei longamente, sinto até uma certa intimidade.
-Deixe de bobagens... me diga lá, esse tal Deus tinha barbas longas, um olhar penetrante, chapéu pontudo, roupa cheia de símbolos estranhos, vara de condão com uma estrela na ponta numa mão e se apoiava num báculo na outra?
-Sim – disse o príncipe assustado – Era assim mesmo...
- Meu filho... meu filho, fostes enganado por um mago... um mago que criou uma ilusão dessas coisas inexistentes... um mago mentiroso que lhe enganou meu filho! Vá lá e desmascare esse mago! – Gritou finalmente o Rei.

O príncipe subiu no cavalo, saiu em disparada, atravessou a fronteira, chegou à praia, desceu de forma violenta e correu em direção ao velho apoiado no báculo.
- O senhor é um mentiroso! – gritou com o velho.
- Como assim? O que fiz? – respondeu surpreso.
- O senhor me disse que era Deus, mas na verdade é um mago capaz de criar ilusões!
- Alto lá! Você me reconheceu, e como não minto nunca, não pude esconder minha real identidade! Sim, sou Deus!
O príncipe, diante de tal afirmação, ficou atordoado mas continuou.
- Bom, mas o senhor mentiu criando a ilusão de ilhas e princesas.
- Meu filho, realmente existe um mago que cria ilusões nessa estória, esse mago é seu pai. Veja, ele criou um mundo para você sem ilhas para que você não se aventurasse em busca de terras distantes, disse que não existiam princesas para que você não se casasse e saísse do seu convívio e, por último, ocultou a minha existência para que você não tivesse esperança, porque em mim residem todas as esperanças do mundo.

Dito isso, o príncipe boquiaberto, pergunta de forma pasma:
-Mas, o que devo fazer agora? – perguntou.
- Vá lá e desmascare o mago que é seu pai!

Subiu no cavalo, atravessou a fronteira, chegou ao palácio, subiu as escadas, se jogou aos pés de seu pai.
- Pai ! pai! – gritava - Me diga a verdade pelo menos uma vez na vida, és um mago?

O pai, vendo-se acuado naquele derradeiro momento, mete a mão na base do pescoço e arranca uma máscara que ocultava sua verdadeira face.
- Sim, sou! Sinto muito meu filho!
- Como pôde fazer isso comigo! –chorava o príncipe.
Neste momento, o reino se transformou. O rei passou a ser um velho aldeão, o castelo, uma pequena casa na beira de um abismo, não existia reino, era apenas uma pequena aldeia. Não existia príncipe, era apenas um jovem mal vestido.
- O que é isso meu pai? – assustado perguntava o jovem – O que fez com minha vida? Por que me criou assim, dentro desta ilusão?
- Bem meu filho – disse o velho aldeão – Eu ocultei de você a existência de ilhas para que não se aventurasse pelos mares, você poderia naufragar, morrer, e eu sofreria com isso. Não lhe contei sobre as princesas porque você poderia se apaixonar... você sabe o que é a dor de um amor não correspondido? Eu não poderia viver vendo o seu sofrimento, por isso lhe poupei desta angústia. E, sobre Deus, bem meu filho, as pessoas vivem rezando, ajoelhadas, pedindo algo ao invisível, criando falsas esperanças para si mesmas... eu não poderia ver você assim, por isso não lhe falei sobre Deus. Entende filho? Tudo que fiz foi por amor a você.
O filho, totalmente desorientado, sai em direção ao abismo próximo ao casebre onde viviam, de pé, na beira da montanha, ele abre os braços e balança o corpo dando a entender que irá se jogar.
-Não meu pai! – disse em sofrimento- Não posso viver com isso, vou me suicidar. Darei fim a minha vida, pois não terei forças para suportar essa realidade que me apresenta.
O pai, mago que era, faz um gesto, e a morte aparece, fisicamente, saindo do abismo. A morte, para quem não sabe, tem cheiro. A morte exala calor, ela trás consigo, quando se apresenta diante de nós, apelos emocionais que só saberemos como são em verdade, quando o nosso momento chegar, enfim. Neste instante uma vida inteira se passou na cabeça do pobre rapaz. E, mesmo sabendo que era uma ilusão, disse:
- Pare pai! Pare! Acho... acho... que posso conviver com isso.
O pai, de cabeça baixa, faz silêncio durantes alguns instantes e diz:
- Que bom meu filho – falou o velho fazendo a ilusão da morte desaparecer – Então, - continuou ele- a partir de agora, você também se torna um mago!

A pergunta, para quem chegou até aqui, é: que personagem você é neste texto?
Você é o pai, que tudo esconde e cria falsas realidades para os que te cercam? Você o Deus da história que tudo revela mesmo que cause desconforto as pessoas? Ou você está vivendo no modo da ilusão, onde a realidade é visto por você através de um vidro embaçado?

Tente se encontrar. Ainda há tempo de se tornar um mago e fazer as mudanças necessárias em sua própria realidade.

Nenhum comentário: